Programa emprestou mais de R$ 6,5 milhões para pequenos e microempreendedores abrirem ou ampliarem seus negócios em 2016

Para ajudar pequenos e microempreendedores a continuarem no mercado ou até mesmo a abrirem novos negócios em tempos de crise, o programa Banco do Povo de Goiás aumentou suas linhas de crédito em 2016. O balanço anual da superintendência mostra que foram emprestados, no total, R$ 6.509.680,50 a micro e pequenos empreendedores goianos.

É o caso do Eliandro Pereira Chagas, que teve uma linha de crédito aprovada no valor de R$ 4 mil para abrir um novo negócio. Antes ele era funcionário de uma panificadora e tinha um sonho de ter sua própria lanchonete. Mas, apesar da empolgação, Eliandro não tinha condições financeiras para iniciar seu empreendimento, foi quando ele pesquisou sobre formas de empréstimo e o Banco do Povo se sobressaiu, sendo o mais atrativo, já que os juros (de 0,25%) eram bem mais baratos que os oferecidos pelas instituições bancárias.

Ele já havia comprado alguns utensílios com suas próprias economias e, com os recursos financiados pelo programa, comprou equipamentos para o seu estabelecimento, como balcão e freezer. Foi a partir daí que Eliandro começou a produzir pães, quitandas e bolos. No começo do negócio, ele atendia na sua própria casa, com a ajuda da esposa e filhos, mas, em pouco tempo, ele ampliou sua lanchonete e foi empregando mais pessoas. Hoje, após dois anos, seu empreendimento, que funciona em Trindade, emprega, além dele e da família, mais cinco pessoas.

O economista Bruno Fleury recomenda a linha de crédito do Banco do Povo de Goiás. “É a mais barata para quem está começando um negócio, que tem uma idéia e que não tem capital de giro. Os juros são os mais baixos do mercado e ainda tem o prazo de carência, para fazer o negócio dar certo e ainda ter uma lucratividade”, afirmou.

De acordo com o superintendente do programa, Danilo Viana Rabelo, que assumiu o Banco do Povo em setembro de 2016, novas parcerias e contratos foram firmados desde então. Segundo ele, mais de 1.420 novos empregos já foram gerados. “A expectativa é superarmos o número de contratos feitos em 2016”, pontua Rabelo.

O superintendente ressalta que um dos fatores positivos do Banco do Povo é que, além de apoiar os pequenos empreendedores, o dinheiro que é emprestado ajuda a movimentar a economia local, pois é aplicado nos estabelecimentos do município. “O crédito (juro) é o mais barato do mercado e ajuda pequenos empreendedores a realizarem o sonho de abrir, ampliar ou diversificar seus negócios, com parcelas que cabem no orçamento”, destaca.

Linhas de microcréditos

As linhas de microcrédito são voltadas às pessoas que trabalham por conta própria, bem como pequenas empresas. Os empréstimos variam de R$ 500 a R$ 10 mil, com juros de 0,25% ao mês.

Numa simulação de crédito de R$ 1 mil, por exemplo, o empreendedor pagará 24 parcelas de R$ 43,98, totalizando R$ 1.055,55, ou seja, apenas R$ 55,55 de juros em dois anos. Além da baixa taxa de juros, nos empréstimos do Banco do Povo não há incidência de taxas administrativas, IOF ou tarifas bancárias. Os financiamentos podem ser utilizados como capital de giro, para compra de matérias-primas e equipamentos, entre outros fins.