Baldy libera verba para retomar 200 obras paradas em Goiás

Ministério das Cidades liberou R$ 81 milhões que vão permitir a inauguração de complexos habitacionais em diversos estados

O ministro das Cidades, Alexandre Baldy, liberou R$ 81 milhões para retomada de seis mil obras paradas em todo o Brasil. Destas, cerca de 200 estão em Goiás. Destaque para conjuntos habitacionais na região do entorno do Distrito Federal.

Outras obras importantes para o Estado foram retomadas graças à articulação de Baldy junto ao governo federal. Exemplo disto é o BRT de Goiânia, que estava paralisado desde junho de 2017 por conta de divergências entre a prefeitura, a Caixa Econômica Federal e o Tribunal de Contas da União.

O ministro não só intercedeu junto a estes órgãos como viabilizou o repasse de mais de R$ 150 milhões para conclusão do projeto. O reinício da construção do BRT será anunciado em evento no Palácio do Planalto, nesta quinta-feira (15/3).

Os R$ 81 milhões liberados pelo Ministério das Cidades nesta terça-feira (13/3) vão permitir a inauguração de complexos habitacionais nos estados da Bahia, Maranhão, Minas Gerais, Pará, Paraíba, Piauí, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul, Santa Catarina, São Paulo e Tocantins – além de Goiás, é claro.

Baldy ressalta que a retomada do programa acontece com o objetivo de atender muitas famílias que ainda esperam a conclusão das obras. “Mais de 6 mil famílias esperam pela realização do sonho da casa própria. Com a proposta apresentada aprovada pelo Conselho Curador do Fundo de Desenvolvimento Social (CCFDS), iremos iniciar imediatamente o aporte para retomar as obras. Essas famílias poderão realizar esse sonho, que é aguardado há muitos anos. A expectativa é de que mais de 26 mil pessoas sejam beneficiadas.”

Quando a resolução entrar em vigor, o Fundo de Desenvolvimento Social assumirá as despesas com a retomada, legalização e conclusão de obras, cuja execução encontre-se paralisada, a partir de identificação em laudo de vistoria e em parecer técnico de engenharia, ambos, emitidos pelo Agente Financeiro.

Deixe um comentário