Avanço dos estudos trouxe nova percepção à relação das crianças com a Covid-19, diz especialista

“No começo elas eram tidas como supertransmissoras”, lembra infectologista ao destacar que atualmente crianças são percebidas “de outro modo”

Young child wearing a respiratory mask as a prevention against the deadly Coronavirus Covid-19

Quase um ano após os primeiros registros do coronavírus (Covid-19) no País, diversas dúvidas ainda pautam o cotidiano de milhares de brasileiros, especialmente no que diz respeito ao contágio e transmissão da doença.

Dentre os maiores questionamentos está a possibilidade de transmissão do vírus por crianças. “No começo elas eram tidas como supertransmissoras. No entanto, com o avançar dos estudos científicos passamos a percebê-las de outro modo”, argumenta a médica infectologista, Luciana Duarte.

Segundo  a especialista, as constatações mais recentes demonstraram que, na verdade, as crianças estão menos suscetíveis aos efeitos do vírus. “Quanto a transmissão em si não podemos afirmar que elas transmitem mais ou menos que os adultos, mas as observações feitas até o momento caminham no sentido das crianças serem contaminadas pelos adultos e não o contrário”.

Para Duarte, diante de um cenário ainda muito jovem para a comunidade científica mundial, não há outra saída a não ser manter o distanciamento social. “Os cuidados devem ser tomados de igual forma entre as crianças e adultos. Temos que manter o distanciamento, não é hora de se pensar em afrouxar [as medidas de segurança]”, conclui.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.