Autoridades e colegas manifestam pesar pela morte do padre Jesus Flores

Governador Ronaldo Caiado disse que sacerdote, vítima da Covid-19, era “referência” na análise das conjunturas políticas

A morte do padre Jesus Flores, aos 88 anos, vítima da Covid-19, causou grande repercussão no meio político goiano. O governador Ronaldo Caiado  (DEM) divulgou, no início da manhã deste domingo, uma mensagem de pesar pela morte do sacerdote. “Padre Jesus Flores se constituiu, ao longo de décadas, como referência nas análises das conjunturas políticas em nível local e nacional, sendo muito respeitado por suas opiniões sempre imparciais, lúcidas, equilibradas e com grande conhecimento dos temas avaliados”, escreveu.

Considerado um dos comentaristas políticos pioneiros em Goiás, o missionário redentorista Jesus Flores morreu no fim da noite de sábado, 11, após ser infectado pelo novo coronavírus e passar quase uma semana internado. Ele se popularizou também como sacerdote em Trindade e na Matriz de Campinas.

Sua morte causou grande repercussão no meio político goiano. O governador Ronaldo Caiado  (DEM) divulgou, no início da manhã deste domingo, uma mensagem de pesar pela morte do sacerdote. “Padre Jesus Flores se constituiu, ao longo de décadas, como referência nas análises das conjunturas políticas em nível local e nacional, sendo muito respeitado por suas opiniões sempre imparciais, lúcidas, equilibradas e com grande conhecimento dos temas avaliados”, escreveu.

Em sua homenagem, Caiado destacou ainda que o sacerdote “sintetiza a biografia dos grandes homens que fizeram a diferença, ao propagar conceitos que foram fundamentais na luta por uma sociedade democrática, consubstanciada nos conceitos da paz, harmonia e bem-comum”. 

“Dedicou-se à missão religiosa com abnegação e grandes frutos. Em sua profícua e bela trajetória, protagonizou papel fundamental ao difundir a devoção ao Divino Pai Eterno, em Trindade, e à Nossa Senhora do Perpétuo Socorro, na Matriz de Campinas.” (Ronaldo Caiado, governador)

O deputado estadual Humberto Aidar (MDB) também lamentou a morte do missionário redentorista. “Foi ele quem me contratou na Rádio Difusora de Goiânia, emissora em que fiquei por mais de duas décadas. Participou do meu programa durante muitos anos, com seus fortes comentários. O rádio goiano perde um grande comentarista, a igreja perde um grande pregador e nós perdemos um grande amigo. Descanse em paz, Jesus Flores.”

Joaquim de Castro, presidente do Tribunal de Contas dos Munícipios de Goiás (TCM), publicou, ao receber a notícia da morte do padre Jesus: “Em nome do Colegiado e dos servidores do TCM-GO, manifesto solidariedade aos familiares, amigos e fiéis seguidores do dedicado religioso e comunicador.”

O vice-governador de Goiás, Lincoln Tejota (Cidadania), lembrou de Jesus Flores por sua dedicação à vida do próximo e à fé. E também por ser “um grande comunicador, sempre prestando um trabalho ético e responsável. Que Deus conforte os corações de familiares, amigos e toda a comunidade que tanto o admirava”.

O missionário redentorista irmão Diego Joaquim, colega de trabalho de Jesus, disse que ele “vai deixar uma lacuna muito grande para todos nós”. “Era um homem muito ativo, mesmo aos 88 anos. Pessoalmente, eu o conheci primeiro pela voz, no rádio, ainda novo. E eu não entendia, porque para mim padre só rezava e ele falava de tudo. Era ao mesmo tempo muito sério e muito generoso. Nas quermesses, padre Jesus arrematada as prendas e dava para os jovens, que não tinham dinheiro para dar lances. A gente achava o máximo. Depois, tive o privilégio de trabalhar com ele na Difusora, primeiramente como produtor e depois como apresentador de programas em que ele participava, por dois anos. O espaço que ele está deixando na comunicação e na pregação redentorista não será ocupado tão logo. Não se encontra fácil um padre Jesus por aí.”

A jornalista Vânia Savioli escreveu: “Padre Jesus era um treinador de repórteres. Como bem definiu nosso colega [jornalista] Carlos Pereira, ele ‘espremia’ a gente durante as participações ao vivo até tirar todos os detalhes da informação. Se a gente deixasse algum questionamento seu sem resposta, ele mandava a gente voltar na edição seguinte trazendo o complemento que faltou. Mas, quando o repórter dava conta do recado, os olhos dele brilhavam de satisfação. Padre Jesus, sem nenhuma sombra de dúvida, foi o responsável pela excelente formação de uma geração inteira de jornalistas.”

Nascido em 11 de março de 1933, Jesus Flores foi ordenado padre em janeiro de 1959. Na comunicação, trabalhou sempre na Rádio Difusora e, nos últimos anos, também na TV Pai Eterno.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.