Autor de “cartilha para ensinar meninos a gostar de meninas” diz ter sido censurado após ter página deletada do Facebook

Matheus Sathler (PSDB) também defende a criação de “kit macho” e do “kit fêmea”. “É um nome carinhoso para rivalizar com o kit gay, que ensina o homossexualismo ao seu filho”, declara o candidato

Na página deletada pelo Facebook o candidato aparece ao lado deputado federal, Jair Bolsonaro (PP)|Foto: Reprodução|Facebook

Na página deletada pelo Facebook o candidato aparece ao lado deputado federal, Jair Bolsonaro (PP)|Foto: Reprodução|Facebook

A propaganda política do candidato a deputado federal pelo Distrito Federal Matheus Sathler (PSDB) causou polêmica nas redes sociais. No vídeo, ele afirma que irá distribuir, caso eleito, a “cartilha para ensinar meninos a gostar de meninas”. A declaração rendeu duras críticas ao candidato devido ao teor homofóbico.

Matheus também defende a criação de “kit macho” e do “kit fêmea”. “É um nome carinhoso para rivalizar com o kit gay, que ensina o homossexualismo ao seu filho. Prevenir o homossexualismo é melhor do que remediar”, disse.

“Sabemos que a maioria dos praticantes larga os estudos muito cedo para terem uma vida de ganhos fáceis e imorais”, declara o candidato. Questionado sobre o assunto, o presidente do PSDB do Distrito Federal, Eduardo Jorge, afirmou que Matheus gravou o programa sem o aval da legenda. Ele também grantiu que vai vetar a defesa das bandeiras do candidato no horário eleitoral gratuito.

O presidente regional do PSDB, Eduardo Jorge, disse ontem que o candidato gravou o programa sem o aval da legenda e garantiu que vai vetar a defesa das bandeiras de Matheus Sathler no horário eleitoral do candidato.

Censurado?

A página do deputado na rede social Facebook foi retirada do ar após denúncias de usuários. Na nova página, Matheus publicou uma imagem afirmando que havia sido censurado pela site de relacionamentos.

Uma resposta para “Autor de “cartilha para ensinar meninos a gostar de meninas” diz ter sido censurado após ter página deletada do Facebook”

  1. Avatar Jallys Mendes disse:

    Este senhor demostra a sua completa incapacidade de tratar um tema tão sério, o da homossexualidade, e o seu total despreparo para assumir um cargo público de tamanha responsabilidade que é o de Deputado Federal. Em primeiro lugar, não se refere a um indivíduo humano como macho ou fêmea, somos homens ou mulheres. Em segundo lugar, não se ensina a ninguém ser heterossexual ou homossexual, o indivíduo humano nasce heterossexual ou não, o que torna o seu projeto de criar “KITs” completamente desnecessários e um tanto cômico. Não lhe tiro o direito de expressar a sua opinião contrária ao movimento LGBT e suas reivindicações, pelo contrário, ele tem o direito de se posicionar, desde que atente aos princípio do respeito, da ética e do conhecimento de causa. E por ser ele um homem público, também é justo que defenda suas bandeiras ideológicas. O que não é admissível em hipótese alguma é o desrespeito aos direitos humanos e a propagação do sentimento de ódio que pessoas de orientação conservadora propagam sem se preocuparem com o que isso pode ocasionar. Um ser humano, seja ele heterossexual, homossexual, bissexual ou o que for, merece ser tratado como gente, como pessoa humana que de fato é.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.