Matheus Sathler (PSDB) também defende a criação de “kit macho” e do “kit fêmea”. “É um nome carinhoso para rivalizar com o kit gay, que ensina o homossexualismo ao seu filho”, declara o candidato

Na página deletada pelo Facebook o candidato aparece ao lado deputado federal, Jair Bolsonaro (PP)|Foto: Reprodução|Facebook
Na página deletada pelo Facebook o candidato aparece ao lado deputado federal, Jair Bolsonaro (PP)|Foto: Reprodução|Facebook

A propaganda política do candidato a deputado federal pelo Distrito Federal Matheus Sathler (PSDB) causou polêmica nas redes sociais. No vídeo, ele afirma que irá distribuir, caso eleito, a “cartilha para ensinar meninos a gostar de meninas”. A declaração rendeu duras críticas ao candidato devido ao teor homofóbico.

Matheus também defende a criação de “kit macho” e do “kit fêmea”. “É um nome carinhoso para rivalizar com o kit gay, que ensina o homossexualismo ao seu filho. Prevenir o homossexualismo é melhor do que remediar”, disse.

“Sabemos que a maioria dos praticantes larga os estudos muito cedo para terem uma vida de ganhos fáceis e imorais”, declara o candidato. Questionado sobre o assunto, o presidente do PSDB do Distrito Federal, Eduardo Jorge, afirmou que Matheus gravou o programa sem o aval da legenda. Ele também grantiu que vai vetar a defesa das bandeiras do candidato no horário eleitoral gratuito.

O presidente regional do PSDB, Eduardo Jorge, disse ontem que o candidato gravou o programa sem o aval da legenda e garantiu que vai vetar a defesa das bandeiras de Matheus Sathler no horário eleitoral do candidato.

Censurado?

A página do deputado na rede social Facebook foi retirada do ar após denúncias de usuários. Na nova página, Matheus publicou uma imagem afirmando que havia sido censurado pela site de relacionamentos.