O mês de novembro traz consigo uma responsabilidade importante: chamar a atenção para a prematuridade. São considerados prematuros, recém-nascidos com a idade gestacional menor que 37 semanas e são várias as situações que podem desencadear esse tipo de trabalho de parto. Entre os fatores de risco podemos citar gravidez precoce, histórico familiar, hipertensão, diabetes, infecções sexualmente transmissíveis não tratadas, uso de álcool, cigarro ou outras drogas durante a gestação. Por isso, nesta sexta-feira, 17, foi instituído o Dia Internacional da Prematuridade, e a cor roxa foi escolhida para marcar a campanha.

Anápolis registrou o nascimento de 5.720 crianças em 2022. Destas, 572 nasceram de forma prematura, correspondendo a 10% dessa população. No estado de Goiás, o percentual aumenta para 11,1%, segundo dados do Ministério da Saúde. Nesse ano, o município já registrou 530 recém-nascidos prematuros.

No Novembro Roxo, cabe o alerta de que a maioria desses partos poderiam ser evitados por meio das consultas regulares do pré-natal. Segundo Wellington Mendes, coordenador da rede de Atenção Básica do município “o pré-natal desempenha um papel fundamental na promoção da saúde materna e na prevenção da prematuridade, sendo na atenção primária que esse cuidado adquire sua máxima relevância. Ao longo do acompanhamento pré-natal, busca-se não apenas monitorar o desenvolvimento do feto, mas também proporcionar suporte integral à gestante, abordando questões físicas, emocionais e sociais que possam impactar sua gravidez, além do acompanhamento puerpério e do recém-nascido”.

As consultas de pré-natal podem ser realizadas nas unidades básicas de saúde, com atendimento de enfermagem, médico, odontológico e de toda equipe multiprofissional. Em casos suspeitos ou diagnosticados de alto risco, o encaminhamento para um especialista é feito, sem que isso interrompa o acompanhamento pelo posto de saúde. Receber a assistência necessária durante o período de gravidez proporciona que as intervenções corretas sejam realizadas em tempo hábil, garantindo maior segurança para a saúde da mãe e do bebê.

“Um pré-natal adequado é capaz de identificar, encaminhar e tratar condições que podem levar à prematuridade, e a enfermagem tem um papel fundamental nessa prevenção iniciando precocemente o atendimento às gestantes. A enfermagem acompanha a evolução da gravidez e prepara a mulher para um parto seguro. Esse é um período que a gestante vive um momento de diferentes sentimentos tornando assim fundamental o vínculo feito com a equipe que a acompanha” informa Virgínia Miguel, enfermeira obstétrica e coordenadora de Urgência e Emergência da rede municipal de saúde.