Expectativa do grupo é que a debandada dê à coligação irista um total de 300 mil votos

Alegando descaso por parte da base marconista, 44 candidatos a deputado federal dos partidos PHS, PSL, PEN, PMN, e PTC — legendas aliadas ao governador Marconi Perillo (PSDB) — declararam nesta terça-feira (20/8) apoio ao principal oponente do tucano, o peemedebista histórico Iris Rezende (PMDB). Os candidatos integram a chapinha para deputado federal que foi indeferida no dia 24 de julho pelo Tribunal Regional Eleitoral (TRE-GO).

Em entrevista, falando em nome dos demais componentes da chapa, Felipe Cortez (PHS) disse que o grupo teria sofrido um “golpe”, uma vez que eles tinham a expectativa de eleger ao menos dois nomes à Câmara Federal, e este não era o interesse da base aliada. “Não vou citar nomes para não ser indelicado, mas vocês estão vendo essas estruturas astronômicas, de um dinheiro que Deus sabe lá onde foi tirado, e eles não aceitam gastar tantos milhões e perder para a nossa chapinha”, alfinetou o candidato, emendando que a ação política, assim como as respectivas candidaturas, são independentes e não estão atreladas aos comandos dos seis partidos.

A oficialização do apoio ocorreu no comitê político da chapa “Amor por Goiás”, localizado no setor Marista, em Goiânia. O grupo foi sondado pelo próprio Iris Rezende e a escolha de apoiá-lo ocorreu, segundo Cortez, porque o peemedebista foi solícito e os acolheu da melhor maneira. A expectativa do grupo é que a debandada dê à coligação irista um total de 300 mil votos.

Para Iris, o apoio é a prova que sua campanha está no caminho certo. Em entrevista coletiva, o candidato comentou sobre os votos que os novos aliados podem angariar à sua candidatura. “Todos eles têm suas influências políticas. Todos eles são líderes. Quando vêm para o nosso lado não vêm por interesse político, mas por ideal”, avaliou.

Situação na Justiça

Apesar da negativa do TRE-GO, a chapinha para deputado federal ainda espera do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) um parecer positivo quanto ao deferimento das 44 candidaturas. O PMDB, inclusive, ofereceu aos candidatos toda sua estrutura jurídica para tratar a questão. O apoio, no entanto, independe da decisão judicial. Durante reunião, Iris garantiu que, caso não consigam reaver suas candidaturas, os novos aliados irão acompanha-lo na administração estadual, se eleito.

Em entrevista ao Jornal Opção Online, o advogado eleitoral Dalmy de Faria avaliou serem ínfimas as chances do TSE aceitar o recurso dos 44 candidatos. “Talvez, eles possam conseguir individualmente, mas, ainda sim, são possibilidades remotas”, acrescentou. O especialista também afirmou que a chapa não deve responsabilizar a base aliada pelo indeferimento, sendo que a questão é partidária e diz respeito exclusivamente à sigla de cada candidato.

Entenda

O TRE-GO indeferiu a chapinha para deputado federal formada por PHS, PSL, PEN, PTC, PMN e PV deixando quase cinco dezenas de potenciais candidatos a ver navios. Originalmente, 51 pessoas compunham a chapa em questão. O problema é que sua composição não respeitava a reserva mínima de candidaturas por sexo, que é de 30%. Com 36 homens e 15 mulheres, o grupo tinha “apenas” 29,41% de candidatas femininas.

Com esta pendência no Demonstrativo de Regularidade de Atos Partidários (Drap), os desembargadores Walter Carlos Lemes (presidente do TRE) e Airton Fernandes de Campos (relator do caso), e o procurador regional eleitoral Marcello Santiago Wolff assinaram a sentença de impugnação no dia 24 de julho.

A chapa tinha até o dia 27 para entrar com o recurso. A simples desistência de um dos candidatos adequaria a chapa à lei, pois faria com que tivesse 35 homens e 15 mulheres, que representariam exatamente 30% dos candidatos. Acontece que o curto prazo do recurso foi perdido, o que fez a sentença ficar transitada em julgado, isto é, ser definitiva.

[Atualização – 21/8]

Diferentemente do que foi informado à imprensa durante a coletiva, nenhum integrante do Partido Verde (PV) declarou apoio à chapa encabeçada por Iris Rezende. A direção do PMN também pediu retratação e negou qualquer apoio a Iris Rezende.