Em relação à disputa ao Senado, o apoio da igreja está dividido entre Vilmar Rocha (PSD), da base aliada, e Ronaldo Caiado (DEM), do grupo irista

Líderes da Assembleia de Deus do Ministério Madureira reafirmaram, neste domingo (27/7), apoio da igreja à reeleição do governador Marconi Perillo (PSDB). A reafirmação foi feita durante a 13ª Conferência Missionária das Assembleias de Deus em Goiás, realizada na cidade de Minaçu, a cerca de 500 quilômetros de Goiânia.

A ratificação do apoio ao tucano, que disputa o quarto mandato, ocorreu um dia depois que os candidatos da oposição Iris Rezende (PMDB) e Vanderlan Cardoso (PSB) também participaram do mesmo ato. O pastor Isaias Negrão – que comandava o evento -, teceu  apoio às gestões de Marconi para os mais de cinco mil religiosos.

Em discurso, Isaias Negrão também relatou telefonema recebido do bispo Manoel Ferreira, presidente das Assembleias de Deus do Brasil e presidente do Conselho Nacional dos Pastores do Brasil. “Meu apreço e admiração pelo governador me permitem chamá-lo de filho”, disse Manoel segundo Isaias Negrão.

O candidato à reeleição salientou que as igrejas contribuem com a sociedade. “As igrejas são agentes ativos no combate à criminalidade, às drogas e aos vícios”, disse Marconi Perillo.

[relacionadas artigos=”9918″]

No dia 13 deste mês, em Ceres, durante a Convenção Estadual dos Ministérios Evangélicos das Assembleias de Deus no Estado (Conemad), o bispo Manoel Ferreira já havia anunciado apoio a Marconi.  “Sinta-se em casa; esta é a sua casa. O senhor tem sido um grande companheiro. Mas não somente nas horas fáceis, sobretudo nas difíceis”, disse o líder religioso, à época.

Em relação à disputa ao Senado, Manoel Ferreira relatou na época que o apoio da igreja está dividido entre Vilmar Rocha (PSD), da base aliada, e Ronaldo Caiado (DEM), do grupo irista. Ambos são deputados federais.

No final do mês passado, o vice-prefeito de Goiânia, Agenor Mariano (PMDB), disse ao Jornal Opção que os evangélicos representam hoje de 22% a 25% do eleitorado de Goiás. “Somente os evangélicos das igrejas Assembleias de Deus, em todo o Estado, representam 10% do eleitorado. Ou seja, aproximadamente, são 400 mil eleitores. Se a maioria decidir votar num candidato a governador, o eleitorado evangélico pode desequilibrar qualquer pleito”, disse.