Segundo presidente da Casa, após Delegado Eduardo Prado, que é autor da proposta, apresentar requerimento com o mínimo de assinaturas necessárias, dois deputados encaminharam ofícios à presidência solicitando que suas assinaturas fossem retiradas do documento

Foto: Reprodução

O presidente da Assembleia Legislativa de Goiás (Alego), Lissauer Vieira (PSB) arquivou, na manhã desta quarta-feira, 10, o requerimento apresentado pelo deputado Delegado Eduardo Prado solicitando a criação de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para investigar irregularidades nos contratos de concessão do transporte coletivo da capital e região metropolitana.

Segundo o presidente, Eduardo Prado teria apresentado um documento contendo 14 assinaturas – mínimo necessário para instauração da CPI no Legislativo. Dentre elas, a dele próprio. “Recebemos também requerimentos de dois deputados que solicitaram a retirada de suas assinaturas”, disse o parlamentar.

Conforme apurado pela reportagem, os pedidos para retirada da assinatura partiram de dois deputados da base: Iso Moreira (DEM) e Chico KGL (DEM). Sem o número mínimo de assinaturas exigido pelo regimento da Casa, a investigação ficou inviabilizada.

“Tendo em vista essa retirada e não atendendo o regimento que determina o número mínimo de assinaturas, encaminhei ao arquivo o pedido de abertura dessa CPI”, finalizou o presidente.

Autor da proposta de criação da CPI, Delegado Eduardo Prado se emocionou e apelou para que os colegas retornassem as assinaturas. “Nós precisamos investigar isso, nós vamos ser cobrados por isso. A dor que estou sentido hoje se assemelha a de quando perdi meu pai, há dois anos”.