Alexandre de Moraes, ministro do Supremo Tribunal Federal, já havia cobrado posicionamento de Augusto Aras anteriormente. Por sua vez, Aras afirmou que não foi a favor da prisão, por entender que ela acabou violando o direito à liberdade de expressão

Para Augusto Aras, prisão de Roberto Jefferson violou o direito à liberdade de expressão. | Foto: Pedro França/Agência Senado

Augusto Aras, procurador-geral da República, se manifestou nesta sexta-feira, 13, alegando que foi contra a prisão de Roberto Jefferson, ex-deputado e presidente do PTB, acusado de participar de uma milícia digital que realiza ataques aos ministros do Supremo e às instituições democráticas. De acordo com Aras, ele não compactua com a prisão, por entender que ela viola o direito à liberdade de expressão, o qual é garantido pela Constituição Federal. 

Em nota emitida sobre a questão, a Procuradoria Geral da República (PGR) afirmou ainda que não iria contribuir para “ampliar o clima de polarização que, atualmente, atinge o país”. Anteriormente ao posicionamento emitido por Aras, Alexandre de Moraes, ministro do STF, havia evidenciado que a PGR tinha optado por permanecer inerte mediante intimação para manifestação sobre o caso. 

[relacionadas artigos=”346110″]

O Diretório do PTB também se manifestou por meio de nota dizendo que a decisão pela prisão de Roberto Jefferson foi arbitrária e que ela representava mais um “triste capítulo da perseguição aos conservadores”. O partido ainda afirmou que deverá apresentar nova nota depois que tiver acesso à íntegra dos autos.