Após tentativa de estupro, vereadora defende criação de Polícia Legislativa na Câmara

Na semana passada um homem foi preso após se esconder no banheiro feminino e atacar uma servidora. Relatos de assédio dentro da Casa já vinham sendo feitos

Nos moldes do que já existe no Congresso Nacional, a vereadora Dra. Cristina Lopes (PSDB) defende a criação da Polícia Legislativa para a Câmara Municipal de Goiânia. A sugestão é uma das medidas que a parlamentar acredita serem necessárias para melhorar a segurança da Casa.

“A existência de uma Polícia Legislativa, com funcionários efetivos e de carreira, traria uma maior segurança para a Casa. É claro que sempre temos apoio imprescindível da Guarda Municipal e Polícia Militar, e isso continuaria a acontecer, mas nós teríamos uma política de segurança funcionando dentro da Casa”, explicou Dra. Cristina, citando exemplos de Câmaras Municipais que têm Polícias Legislativas, como Londrina (PR), Parauapebas (PA) e Belo Horizonte (MG).

Na última quarta-feira (1/3) uma assessora parlamentar da vereadora Cristina Lopes foi vítima de uma tentativa de estupro dentro de um banheiro da Câmara. Desde então, o presidente do parlamento, vereador Andrey Azeredo (PMDB) anunciou que os visitantes passarão a ser identificados na entrada da Casa e ainda a realização de levantamentos orçamentários para que os funcionários tenham crachás com foto e para a retomada do monitoramento por câmeras de segurança.

A identificação de visitantes também é um ponto defendido pela vereadora. “Ninguém quer cercear a entrada e saída da pessoas, mas é preciso que haja um controle. Se aqui é a Casa do povo, então que seja um ambiente seguro. O que eu defendo é a realização de um planejamento de segurança, que hoje não existe”.

Apesar de ter sido o estopim para o debate, Dra. Cristina ressalta que a tentativa de estupro não foi caso isolado. Na semana anterior ela já havia subido a tribuna denunciar casos de assédios contra mulheres nos corredores da Câmara.

“Não foi fato isolado. Eu mesma já tinha recebido relatos de assédios e fiz a denúncia na tribuna. Agora ficou provado que não há exagero. Se não houver medidas duras por parte da presidência e da mesa diretora, esse comportamento tende a crescer”, reiterou.

Além disso, ela voltou a pedir apoio não apenas da mesa diretora, mas também dos outros parlamentares, para coibir atitudes misóginas dentro da Câmara. “Todo ambiente que tem muitos homens tem esse risco, e aqui não é diferente. O que esperamos são atitudes individuais, um posicionamento firme de cada gabinete, para que esses casos não virem piada ou brincadeira de mal gosto que não podem mais ser toleradas”.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.