Após suposto pagamento de propina a desembargadores, juíza encaminha processo do padre Robson ao STJ

MPF pediu investigação do caso após áudios mostrarem uma conversa entre padre Robson e dois advogados sobre o suposto pagamento de R$ 1,5 milhão a desembargadores de Goiás

Foto: Reprodução

A juíza da 1ª Vara dos Feitos Relativos a Delitos Praticados por Organização Criminosa e de Lavagem ou Ocultação de Bens, Direitos e Valores de Goiânia, Placidina Pires determinou o encaminhamento de todos os autos e procedimentos vinculados à Operação Vendilhões ao Superior Tribunal de Justiça (STJ).

De acordo com informações do portal de notícias Rota Jurídica, a decisão da juíza foi tomada após o ministro Benedito Gonçalves avocar os autos do processo que investiga suposto pagamento de propina a desembargadores do Tribunal de Justiça de Goiás (TJGO) no caso do Padre Robson de Oliveira Pereira.

O pedido de investigação foi feito pelo Ministério Público Federal (MPF) após áudios mostrarem uma conversa entre padre Robson e dois advogados sobre o suposto pagamento de propina de R$ 1,5 milhão a desembargadores de Goiás.

Conforme o conteúdo, a suposta propina teria sido para que magistrados proferissem decisão favorável ao religioso em processo envolvendo uma fazenda comprada pela Associação Filhos do Pai Eterno (Afipe), quando era presidida pelo padre.

As gravações foram encontradas durante a investigação que apurou suposto desvio de dinheiro doado por fiéis à Afipe. A conversa teria sido gravada pelo próprio padre Robson e tem quase uma hora e meia de duração. Esse material foi objeto de reportagem pelo Fantástico, da Rede Globo.

Diante da prerrogativa de foro privilegiado atribuída aos desembargadores, apenas o STJ pode solicitar a investigação sobre o cometimento de supostos crimes por parte dos magistrados. Desta forma, o pedido dos autos se deu na intenção de que o ministro, relator do inquérito, possa analisar as condutas dos desembargadores no caso do padre.

Ao Rota Jurídica a defesa do padre Robson destacou que ainda não foi notificada, porém, segue com a mesma “tranquilidade”, independentemente de onde tramite, haja vista que “não houve irregularidades”. “Esperamos que a verdade seja restabelecida”, conclui. (Com informações do portal Rota Jurídica)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.