Após rompimento com PT, PMDB perde mais da metade da bancada de vereadores

Eudes Vigor, Mizair Lemes Jr., Izídio Alves e Denício Trindade, além do secretário municipal de Desenvolvimento Econômico, Paulo Borges, deixaram partido

Segundo presidente metropolitano do PMDB, Bruno Peixoto, Paulo, Denício, Mizair e Paulo Borges deixaram partido por causa do rompimento com o PT | Fotos: Câmara dos Vereadores

Segundo presidente metropolitano do PMDB, Bruno Peixoto, Paulo, Denício, Mizair e Paulo Borges deixaram partido por causa do rompimento com o PT | Fotos: Câmara dos Vereadores

Mesmo antes mesmo de o PMDB nacional oficializar a decisão de deixar a base aliada do governo Dilma Rousseff (PT), em anúncio feito na última terça-feira (29/3), o diretório metropolitano do partido já havia confirmado o rompimento em Goiânia. A decisão, no entanto, não foi recebida de forma unânime entre os vereadores da legenda.

Quando anunciou a ruptura, o presidente do diretório metropolitano, Bruno Peixoto (PMDB), adiantou também que três vereadores já haveriam confirmado que deixariam o partido: Mizair Lemes Jr., Paulo Borges e Eudes Vigor. Bruno admitiu ainda que o PMDB esperava perder até quatro de seus vereadores, sinalizando que as saídas não se encerrariam por ali.

Em entrevista ao Jornal Opção na última quinta-feira (31/3), Bruno deixou claro que a orientação do PMDB municipal era de expulsar todos os vereadores do partido que se recusassem a deixar a base do prefeito Paulo Garcia (PT) e os cargos no Paço Municipal. Não foi preciso tanto. Por iniciativa própria, aqueles que discordaram da decisão trocaram de sigla.

Até o final do período de trocas partidárias que se encerra neste sábado (2/4), o PMDB tinha sete vereadores, além de Paulo Borges, licenciado para comandar a Secretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico, Trabalho, Ciência e Tecnologia. Restaram apenas três, porque tanto os três já indicados por Bruno quanto os também vereadores Denício Trindade e Izídio Alves foram para outros partidos.

Deles, o único que não relaciona sua saída com a decisão do PMDB é Izídio Alves, que não especificou o porquê da mudança, mas garantiu que nada tem a ver com o rompimento. Ressaltando ter uma boa relação tanto com Paulo Garcia quanto com o ex-prefeito Iris Rezende (PMDB), Izídio limitou-se a confirmar a ida para o Solidariedade, efetivada nesta sexta-feira (1/4).

Mizair Lemes Jr., por outro lado, oficializou sua ida para o PR na última quarta-feira (30/3), depois de já ter criticado abertamente e decisão do partido. Logo após o anúncio de Bruno Peixoto, Mizair julgou “precipitada” a opção peemedebista e criticou a legenda: “O PMDB tem que agir com coerência e responsabilidade”.

Neste sábado, Bruno Peixoto confirmou que Paulo Borges, Denício Trindade e Eudes Vigor também deixaram a legenda. Denício foi, assim como Izídio, para o Solidariedade, enquanto Paulo Borges migrou para o PR e Eudes Vigor para o PSDB. Segundo o presidente do diretório metropolitano, todos saíram do PMDB especificamente por causa do rompimento com o PT.

O Jornal Opção não conseguiu contato com Paulo Borges, Denício Trindade e Eudes Vigor para comentarem o assunto.

Três vereadores permaneceram filiados ao PMDB: Clécio Alves, Célia Valadão e Wellington Peixoto. Clécio Alves e Célia Valadão, inclusive, já faziam parte da oposição desde 2015, quando contrariaram a orientação governista na votação do reajuste do IPTU.

2 respostas para “Após rompimento com PT, PMDB perde mais da metade da bancada de vereadores”

  1. Avatar Maria Lucia Cardoso disse:

    Uai…tá lôco! Trocaram seis por meia duzia…..kkkkkk

  2. Avatar Jeronimo José Matos disse:

    Os ratos abandonando o porão do navio em chamas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.