O Ministério da Justiça e Segurança Pública publicou, nesta segunda-feira, 13, uma portaria com novas regras para a entrada de visitantes ao Palácio da Justiça, sede da pasta federal que dispõe, também, de dois anexos. O documento vem após uma polêmica envolvendo o goiano Elias Vaz, secretário de assuntos legislativos do Ministério da Justiça, que se reuniu, em março deste ano, com Luciane Barbosa Farias, esposa de Clemilson dos Santos Farias, conhecido como “Tio Patinhas” – líder do Comando Vermelho no Amazonas.

Conforme a portaria, assinada pelo secretário-executivo do Ministério da Justiça e Segurança Pública, Ricardo Cappelli, a partir de agora, o acesso de visitantes às dependências do Ministério da Justiça e Segurança Pública “deve ser precedido de contato da recepcionista com o ponto focal indicado pela unidade de destino, a qual autorizará, ou não, o seu ingresso”.

Ainda segundo o documento, somente será recepcionado em compromisso público, no âmbito do Ministério da Justiça e Segurança Pública, o interessado em agenda institucional “que comunicar, com antecedência mínima de 48 horas da data prevista para realização da reunião ou audiência, os nomes de todos os participantes e acompanhantes da agenda, com CPF, devendo ser formalizado via e-mail institucional do órgão ou unidade responsável pela agenda.”

“Em se tratando de interessado em agenda institucional, sem agendamento prévio, este será atendido na recepção do Palácio da Justiça, ou de seus Anexos, para identificação e orientação, devendo aguardar autorização da autoridade responsável pela agenda para ingresso nas dependências do Ministério”, finaliza a portaria.

O que disse Elias Vaz sobre o caso

Após a repercussão da reunião, Elias Vaz se manifestou sobre o caso. O secretário disse que “não fazia ideia” de quem era Luciene. “Ela falou que pertencia a um movimento de mulheres da população carcerária, mas em momento algum falou de quem era esposa. Também não perguntei porque ficaria ruim perguntar esse tipo de coisa. O único ‘Tio Patinhas’ que eu conheço é do desenho”, explicou.

“Quero lamentar esse episódio. Se teve algum erro, esse erro foi da minha parte, de não ter feito uma verificação mais profunda das pessoas que vou receber, procedimento que provavelmente a gente deve adotar daqui em diante”, declarou Vaz, em coletiva de imprensa.

Luciene Barbosa é casada com o vulgo “Tio Patinhas”, traficante mais perigoso do Amazonas e líder do Comando Vermelho (CV) no Estado. Ela também participou de outras duas reuniões nos últimos meses em com representantes do governo federal.

Esses encontros foram revelados pelo Estadão. Em Brasília, a esposa de Tio Patinhas foi recebida também pelos deputados André Janones e Daiana Santos.

Leia também:

Elias Vaz fala sobre encontro com “dama do tráfico”, esposa de líder do CV