Após morte de médico, CEI da Saúde vai apurar falta de insumos no Cais de Campinas

Há suspeita que luvas e máscaras só foram fornecidos depois do falecimento do pediatra Luiz Sérgio no último domingo (1º)

CEI da Saúde uer informações sobre insumos no Cais de Campinas | Foto: Divulgação

A Comissão Especial de Inquérito (CEI) que apura irregularidades na Saúde em Goiânia aprovou nesta segunda-feira (2/4) requerimento do relator, vereador Elias Vaz (PSB), e vai pedir informações sobre fornecimento de insumos ao diretor geral e ao diretor técnico do Cais de Campinas. Os vereadores querem saber se, no período de 17 a 31 de março, havia luvas, máscaras, sabonete líquido e álcool em gel na unidade.

Elias Vaz afirma que recebeu denúncia de um médico do Cais de que esses insumos só passaram a ser fornecidos no último domingo (1º), depois que o pediatra Luiz Sérgio faleceu com suspeita de H1N1. “Distribuíram álcool, sabão, máscaras etc, mas já é tarde”, teria dito o profissional.

O relator da CEI diz que, se for confirmada a falta de insumos, será mais do que uma prova de má gestão. “Isso seria uma ação criminosa de negligência. Pessoas estão morrendo pela má gestão, pacientes e agora um profissional da Saúde. São insumos básicos e muito baratos, não tem justificativa para não oferecer isso nos cais. Precisou morrer um médico para chegarem esses insumos”, afirma Elias.

Suspeita de H1N1

O pediatra Luiz Sérgio atendia no Cais Campinas, um dos mais importantes centros de saúde da capital, com grande fluxo de pacientes com suspeitas do vírus. No último plantão na unidade, na quarta-feira (28/3), o médico não demonstrou aos colegas de trabalho nenhum sintoma. Na noite de sexta-feira (30), porém, ele foi internado no Hospital Estadual de Urgências da Região Noroeste de Goiânia Governador Otávio Lage de Siqueira (Hugol), já em estado grave.

Ele permaneceu no hospital, respirando com ajuda de aparelhos até o domingo (1º), quando não resistiu e morreu. Testes ainda estão sendo feitos para confirmar ou não a suspeita de H1N1.

Convocação

A CEI aprovou ainda nesta segunda (2) requerimento convocando o secretário municipal de Desenvolvimento Econômico, Trabalho e Tecnologia, Ricardo De Val Borges, para prestar informações sobre o contrato com a empresa Vivver Sistemas, de Belo Horizonte (MG) ), para instalação de software na secretaria de Saúde.

Com dispensa de licitação, o documento assinado por Fátima Mrué prevê a prestação de serviços de manutenção, suporte técnico e customização para a área de saúde por um valor de mais de R$4 milhões.

A CEI solicitou ainda à secretária municipal de Saúde, Fátima Mrué, uma auditoria da capacidade técnica da rede de informática da secretaria, quando da instalação do software pela Vivver.

A pedido do relator da CEI, Elias Vaz (PSB), os vereadores também aprovaram requerimento solicitando dois servidores efetivos da Sedetec para analisarem a eficácia do software, ficando à disposição da Comissão até o final dos trabalhos.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.