Após denúncia, boate no Setor Bueno é fechada por descumprimento das medidas restritivas

Estabelecimento pretendia realizar gravação de DVD de dupla sertaneja

Policiais em frente a boate autuada. | Foto: Arquivo da vigilância sanitária

Boate da capital goiana foi fechada por agentes do departamento de Vigilância Sanitária da Secretaria Municipal de Saúde de Goiânia na última terça-feira, 09.  Após o recebimento da denúncia de que ocorreria a gravação do DVD de uma dupla sertaneja no local, policiais militares monitoraram o local. Antes da festa acontecer, o estabelecimento sofreu a intervenção e autuação pelos profissionais.

Segundo a denúncia, para conseguir realizar o evento sem chamar atenção da fiscalização, teria sido alugado um ônibus que levaria o público até o local, para que não houvesse aglomeração de carros na porta do estabelecimento. Segundo o diretor do departamento de Vigilância Sanitária, Jadson Tavares, a fiscalização por parte dos profissionais é diária, e todos os dias, diversos estabelecimentos foram fechados.

O diretor pede a compreensão da comunidade empresarial e da sociedade. “Eu critico um pouco os empresários nesse sentido, porque os bares e restaurantes, por exemplo, no ano passado quando houve a flexibilização, eles garantiram que adotariam todas as medidas de segurança necessárias, cumprindo os protocolos, e durante um tempo isso aconteceu. Mas logo em seguida, começamos a perceber aglomeração. Virou bagunça total”, opina.

Segundo Jason Tavares, há um ano, quando se iniciou a primeira suspensão de atividades, a adesão era visivelmente maior. “Antes as ruas estavam mais vazias. O que temos visto hoje em dia é que várias pessoas querem e tentam burlar o decreto sem alarmar os ficais. Mas diferente do que se pensa, nosso objetivo não é de fechar as empresas, a gente quer que haja equilíbrio entre a questão do atendimento hospitalar com o comércio”, esclarece.

Ele ainda acrescenta que, se quando a flexibilização retornar, o descuidado quanto ao cumprimento dos protocolos de segurança permanecerem, logo as atividades precisarão ser novamente suspensas.

Penalidades

Desde a última segunda-feira, 01, a capital goiana funciona com suspensão das atividades não essenciais, sejam elas econômicas ou não. O objetivo das medidas restritivas é o combate ao contágio realizado pelo novo coronavírus, em razão do aumento dos casos graves na cidade e a necessidade por internação. No momento, os hospitais se encontram superlotados. Os leitos de UTI destinados ao tratamento da Covid-19 do estado estão com ocupação de 98,36%, com apenas 7 leitos disponíveis. Na capital, a taxa de ocupação é 99% para UTI e 100% para leitos de enfermaria.

A multa para estabelecimentos que funcionam sem autorização é de R$ 4.705,30. Já os que estão autorizados a funcionar, mas estiverem desobedecendo algum protocolo, poderão ser intimados a corrigir o erro ou até autuados, multados e terem os estabelecimentos fechados, a depender do grau de infração.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.