Após darem golpe de R$ 11,8 mil em vítima idosa, três homens são presos no Setor Morada do Sol

Na situação, autuados, que foram presos em flagrante, se passaram por filho da vítima e solicitaram valores a serem transferidos

Faixada da Delegacia Estadual de Investigações Criminais (DEIC) | Foto: Reprodução

Após darem golpe em vítima de 64 anos de idade, três homens integrantes de associação criminosa são presos em Goiânia, no Setor Morada do Sol. O crime causou a vítima um prejuízo de R$11.879,60. Na situação, autuados se passaram por filho da vítima e solicitaram valores a serem transferidos.

Investigação faz parte da Operação Simbiose e teve início no estado após a Polícia Civil do Estado de Goiás, por meio do Grupo de Repressão a Estelionato e Outras Fraudes da Delegacia Estadual de Investigações Criminais (GREF/DEIC) obter conhecimento do caso através do boletim de ocorrência registrada em Ubá, Minas Gerais.

Na apuração do caso, foi descoberto que, além da vítima residente em Minas Gerais, há poucos dias, outras duas pessoas que moram em São Paulo e Tocantins foram vítimas dos mesmos homens. O golpe em questão é caracterizado como crime de estelionato mediante fraude eletrônica, envolvendo engenharia social conhecida como “Golpe do Número Novo”.

No último caso, os suspeitos utilizaram a foto do filho da vítima no perfil de um aplicativo de mensagens e, após habilitarem um número novo, enviaram mensagens à vítima solicitando valores sob o pretexto de que havia excedido o limite diário. A vítima solicitou que uma outra filha sua transferisse o dinheiro a pedido do suposto irmão.  Sem desconfiar, a filha da vítima acatou a solicitação materna e enviou os valores para duas contas indicadas pelos homens autuados.

Após a realização da transferência, a vítima enviou os comprovantes do depósito ao filho. No entanto, só quando o homem negou ter solicitado o dinheiro é que ela percebeu ter caído em um golpe.

Presos em flagrante, os homens de 18, 23 e 35 anos foram encaminhados à Delegacia. Durante o interrogatório, dois deles confessaram que recebiam 5% pelos valores que ingressassem em suas contas e, em seguida, repassavam os restante para outras pessoas. Já o terceiro confirmou que ganhava dinheiro para cooptar gente interessada em alugar suas contas.          

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.