Após caso de febre amarela em Goiás, Ministério da Saúde reforça importância da vacina

Episódio foi registrado na cidade de Alto Paraíso e está sendo tratado como um caso isolado. O paciente já recebeu alta

Foto: Manuella Brandolff/ Palácio Piratini

Após a notificação de um caso de febre amarela na cidade de Alto Paraíso na última quinta-feira (12/2), o Ministério da Saúde reforçou a importância da vacinação no combate à doença. A dose faz parte do Calendário Nacional de Vacinação e deve ser administrada em crianças aos 9 meses, com um reforço aos 4 anos. Em adultos, a indicação é que a vacina seja adotada como medida de prevenção para residentes ou visitantes de áreas onde há recomendação de imunização.

Pessoas que nunca receberam a dose e vão viajar para áreas de risco devem ser vacinadas com pelo menos dez dias de antecedência. Quem tomou uma única dose da vacina há mais de dez anos deve receber o reforço. O governo orienta ainda que pessoas que precisem viajar para áreas de risco, sem terem sido vacinadas com dez dias de antecedência, evitem acessar áreas silvestres. Em caso de necessidade de deslocamento para esses locais, a recomendação é usar roupas que protejam as áreas expostas do corpo – principalmente braços e pernas – e usar repelente.

A pasta informou que o caso de febre amarela registrado no interior de Goiás é tratado como um caso isolado de um estrangeiro que passou pela cidade e seguiu para o Rio de Janeiro, onde foi diagnosticado e recebeu tratamento médico-hospitalar. O paciente já recebeu alta.

A febre amarela é uma doença infecciosa febril aguda, causada por um vírus transmitido por mosquitos. No Brasil, a doença ocorre esporadicamente, com registros de casos humanos isolados nas áreas consideradas endêmicas, principalmente na região amazônica e no Centro-Oeste. A vacina, segundo o ministério, é o principal instrumento de prevenção, com elevada eficácia.

Deixe um comentário