Apoio a teses do bolsonarismo aumentou 29% nas PMs, revela pesquisa

Dados são do Fórum Brasileiro de Segurança Pública, e aponta que crescimento foi maior entre oficiais do que entre praças

Presidente da República, Jair Bolsonaro | Foto: REUTERS

Uma pesquisa do Fórum Brasileiro de Segurança Pública mostra que a adesão às teses mais extremistas do bolsonarismo aumentou 29% nas Polícias Militares, comparando o comportamento dos policiais em redes sociais neste ano e em 2020.

Segundo reportagem do jornal Estado de S. Paulo, ao todo, 27% dos PMs do país interagiram em redes sociais em 2021, compartilhando, comentando ou curtindo publicações de páginas do que a pesquisa chama de “bolsonarismo radical”, que pertencem a grupos ou pessoas declaradamente fãs ou militantes do presidente. Já em relação a população em geral esse número ficou em 17%.

O levantamento mostra também que é relativamente baixa a adesão aos ambientes de apoio ao presidente da República na Polícia Civil, sendo 13% em 2021 e antes 9% em 2020, e na Polícia Federal, 17% neste ano em comparação aos 13% em 2020.

A pesquisa constatou que 23% dos oficiais da PM participou de ambientes radicalizados do bolsonarismo em 2021. Esse número era de 17% em 2020, o que significa um crescimento de 35%. Entre os praças, a presença em ambientes radicais do bolsonarismo saltou de 25% para 30% e, no chamado bolsonarismo orgânico, esse número passou de 16% para 21%, antes o registrado em 2020. Pelos dados atualizados, na base das corporações 51% dos praças demonstram apreço às teses bolsonaristas e 49% não interagem com o movimento.

Os dados da pesquisa foram coletados com base em informações de profissionais das polícias no Portal da Transparência do governo federal e dos Estados. Foi selecionada uma amostra desses profissionais que fosse representativa dos efetivos e analisaram 651 usuários no Facebook e Instagram com cargos em instituições policiais. O nível de confiança da pesquisa é de 95% e a margem de erro é de 3%.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.