Apesar do “risco alto”, Aparecida mantém regime de escalonamento para funcionamento do comércio

Taxa de ocupação total dos leitos de UTIs disponíveis em Aparecida é de 90%. Se observados apenas aqueles destinados ao tratamento de pacientes com a covid-19, são 93% de ocupação dos leitos da rede pública de Saúde e 100% da rede privada

Foto: Reprodução

Ao passo em que diversos municípios goianos caminham em direção ao decreto assinado pelo governador Ronaldo Caiado (DEM) — que prevê a suspensão do funcionamento das atividades não essenciais —, a prefeitura de Aparecida de Goiânia, no entanto, segue apostando suas fichas na eficácia de seu próprio regime: o de escalonamento.

Juntos, os cinco municípios mais populosos de Goiás somam quase 3 milhões de habitantes. O número equivale a mais de 20% da população de todo o Estado. Apenas em Aparecida estão mais de meio milhão de habitantes, sendo o município do segundo do ranking populacional perdendo apenas para a capital.

A taxa de ocupação total dos leitos de UTIs disponíveis em Aparecida é de 90%. Se observados apenas aqueles destinados ao tratamento de pacientes com a covid-19, são 93% de ocupação dos leitos da rede pública de Saúde e 100% da rede privada. São, ao todo, 54.573 casos confirmados em Aparecida, sendo 209 deles confirmados nas últimas 24h.

Tumulto

O final de semana foi marcado por uma intensa circulação de pedestres e carros em Aparecida. Na Avenida Igualdade, setor Garavelo, o fluxo de trânsito esteve pesado durante a manhã de sábado, 20. Imagens da Feira Livre, no setor Cruzeiro do Sul, também mostram aglomerações de pessoas que passavam pelo local, apesar da maioria fazer uso de máscara.

A demanda pelo transporte coletivo também foi intensa, com quase 42 mil validações registradas, um volume 97% acima do esperado. No Eixo Anhanguera, a movimentação foi 87% maior que o esperado.

Apesar da pandemia agravada, do aumento exponencial dos casos e da limitação no número de leitos, a população segue sem medo e aglomerando em comércios autorizados a funcionar com aval da prefeitura.

Mesmo depois do governador de Goiás declarar que, havendo um colapso generalizado, nenhum prefeito poderia criar e aplicar suas próprias regras, Aparecida segue aplicando seu regime, que varia conforme o termômetro que mede número de casos ativos, percentual de positividades de exames de PCR e taxa de transmissão. Atualmente, o risco é “alto” e, neste caso, cada macrozona deve fechar duas vezes de segunda a sexta-feira. Veja:

Imagem: Reprodução

Mesmo assim, a liberação ou suspensão das atividades com base no agravamento dos casos no município tende a continuar seguindo este mesmo modelo nos próximos dias. Isso porquê o Comitê de Prevenção e Enfrentamento à Covid-19 em Aparecida de Goiânia analisou o cenário epidemiológico apresentado pela Secretaria Municipal de Saúde (SMS) com base na Matriz de Risco e definiu que a cidade segue, ao longo desta semana, com o escalonamento regional.

Goiás

A Secretaria de Estado da Saúde de Goiás (SES-GO) informa que há 452.120 casos de doença pela Covid-19 no território goiano. Destes, há o registro de 429.941 pessoas recuperadas e 10.339 óbitos confirmados. No Estado, há 384.160 casos suspeitos em investigação. Já foram descartados 240.313 casos.​ Há 10.339 óbitos confirmados de Covid-19 em Goiás até o momento, o que significa uma taxa de letalidade de 2,29%. Outros 294 óbitos são tidos como suspeitos e seguem sob investigação.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.