“Apesar das limitações e incertezas enormes, tivemos um bom ano”, diz Marconi em almoço

Governador fez breve balanço de 2016 em evento com jornalistas no Palácio das Esmeraldas. Para ele, mesmo com crise e impeachment, houve avanços

| Foto: Alexandre Parrode/ Jornal Opção

| Foto: Alexandre Parrode/ Jornal Opção

O governador Marconi Perillo (PSDB) recebe, nesta quarta-feira (7/12), jornalistas goianos em almoço no Palácio das Esmeraldas. Em seu discurso durante o evento, o tucano fez um rápido balanço de 2016 que, para ele, foi um bom ano “apesar da crise, do impeachment e tantos problemas que envolvem Senado, Câmara, Polícia, economia”.

Antes de falar, no entanto, ele pediu um minuto de silêncio para o cinegrafista Ary Junior, morto no desastre aéreo que vitimou, no último dia 29 de novembro, 71 pessoas entre jornalistas, jogadores e equipe técnica da Chapecoense.

“Acho que para Goiás foi positivo, nós tivemos a oportunidade de nos colocar no debate nacional”, pontuou ele. “Apresentamos ao governo federal um conjunto de medidas que deverão ser entregues aos estados do Brasil. Procurei contribuir com esse debate ao longo do ano porque não adianta fazer coisas bem feitas agora e daqui a cinco anos termos problemas estruturais como acontece no Rio de Janeiro e Minas Gerais”, explicou, “Hoje temos 15 governos estaduais praticamente em colapso”.

Ele destacou que Goiás conseguiu recursos importantes, como os da repatriação, e precisa aplicá-los para ganhar mais equilíbrio. “Déficit mensal da previdência pública no estado é de 150 milhões em Goiás, os servidores se aposentam muito cedo. Precisamos nos preocupar com o amanhã”. Marconi defendeu ainda medidas como a venda da Celg: “A privatização envolve muito mais que os R$ 2,1 bilhões, ajuda a trazer confiança de investidores ao Brasil”.

Por fim, ele elogiou a gestão do vice-governador José Eliton (PSDB) na Secretaria de Segurança Pública e Administração Penitenciária (SSP): “Tivemos protagonismo na área de Segurança Pública, com José Eliton liderando pacto que envolve 16 estados, melhoramos, avançamos e discutimos com todos os poderes”.

Quem também falou no evento foi chefe do Gabinete de Imprensa do governador, Carlos Eduardo Reche, que destacou que sua principal função no cargo, segundo ele, foi oferecer todas as informações possíveis e manter as portas abertas para os jornalistas. “Aprendi nessa função que precisamos fazer um governo cidadão, preciso que jornalistas estejam dentro do governo”, declarou.

“Gostaria de agradecer a todos que acompanham o governo e queremos mais participação de vocês, para levar ao cidadão informações capazes de transformar a vida”, pediu ele. “O legado que essa gestão deixa é inestimável, só tive a dimensão do que foi feito trabalhando aqui. Todos os dias nos surpreendemos mais.”

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.