Apesar das críticas, magistrados e servidores do Judiciário começam a receber auxílio-saúde

Impacto do repasse, aprovado em 13 de maio com o aval de 16 desembargadores, será de R$ 6 milhões mensais

Sede do Tribunal de Justiça do Estado de Goiás, em Goiânia | Foto: TJ-GO | Reprodução

A chuva de críticas por diversos segmentos da sociedade não foi suficiente para inibir o repasse do auxílio-saúde aos magistrados, servidores e pensionistas do Judiciário goiano.

Conforme divulgado pelo portal Rota Jurídica, o Tribunal de Justiça de Goiás (TJGO) já confirmou a liberação dos valores, já na folha de pagamento do mês de maio, cumprida na última sexta-feira, 29.

Os repasses vão de R$ 420,00 (destinados aos pensionistas) a R$ 1.280,00 (destinados aos desembargadores e juízes). O valor pago aos servidores, por sua vez, é de R$ 720,00.

Segundo a corte, o benefício está de acordo com a Resolução 264/2019 do Conselho Nacional de Justiça, que no dia 10 de setembro do ano passado, aprovou resolução para padronizar o pagamento de auxílio-saúde a juízes.

O benefício foi avalizado por 16 desembargadores presentes na primeira sessão virtual do Órgão Especial do TJGO, no dia 13 de maio. O impacto dos repasses será de R$ 6 milhões mensais.

O pagamento desse valor gerou repercussão e foi alvo de críticas de diferentes segmentos da sociedade, especialmente devido às dificuldades enfrentadas pela disseminação do coronavírus (Covid-19) não só em Goiás, mas em todo Brasil.

11 respostas para “Apesar das críticas, magistrados e servidores do Judiciário começam a receber auxílio-saúde”

  1. Ailton Paulo de Souza disse:

    Desembargadores, juízes e etc, com super-salários. Ainda, permitir uma despesa nessa magnitude para um Estado, por fora, dos seus salários. É uma vergonha para nossa sociedade, falida e refém de atos que emanam dessas pessoas, que deveriam ser exemplos. Estamos no fundo do poço, em plena pandemia.

  2. Monica disse:

    Vergonhoso! Que país é este???? Desespeito pelo povo qye sofre perante uma crise mundial

  3. FRANKLIN BARTOLOMEU DE MACEDO JUNIOR disse:

    Lamentável a atitude do TJGO.

    Quem paga é o povo nais esse descalábrio.

  4. caçador de corrupto disse:

    Não sou servidor do judiciário. Deputados, senadores, juízes, desembargadores, ministério público, procuradores, ministros dos tribunais superiores e outros da privilegiados da corte recebem todo tipo de benefício, de prato de lagosta a auxílios moradia, e até saúde com despesas ilimitadas. Todos são agentes públicos, agentes políticos e servidores, no entanto, todos a fonte de pagamento o tesouro, ou seja, o contribuinte é quem arca com tudo. Se os privilegiados da podem receber todas essas regalias, então por que os servidores ou outros trabalhadores do baixo clero não podem ter o mesmo direito?

  5. Claudio disse:

    E um aposentado que ganha um miserável salário mínimo não tem auxílio de nada , principalmente na área da saúde , Brasil um país onde é cada um por si e pronto ,não só os políticos mas nós mesmos brasileiros temos isso enraizado em nós, o de tirar proveito uns dos outros infelizmente é isso..

  6. Rogério disse:

    Quem deveria promover a justiça gera injustiça, todos somos iguais perante a lei, mas eles exigem tratamentos diferentes. Experimente chamar um juiz de você. Eles em muitos casos julgam em causa própria. Não respeitam nem o Teto de salário constitucional, vamos esperar o que?

  7. Eugenio disse:

    Todo servidor público tenndria como teto $R 20.000,00 reais , confisco até depoes da pandemia, é justo.

  8. Edson Perin disse:

    Não quero ser desrespeitoso, mas nada que se diga pode mostrar mais nossa indignação do que declarar o que realmente se percebe: “o judiciário, há tempos, exala mau cheiro”.

  9. Anderson disse:

    Justo para os servidores e pensionistas. E injusto para os desembargadores, contemplados com altos salários.

  10. Samuel Filho disse:

    E o governador não vai falar nada ?

  11. Eliana Cristina Augusto disse:

    Isso é só em Goiás ou serve pra todos os Estados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.