Anvisa rejeita 3 pedidos de autorização para autotestes de Covid

Solicitações negadas são das empresas LMG Lasers, MedLevensohn e Okay Technology; pedidos foram feitos depois do dia 28 de janeiro, quando a regulamentação doa exames caseiros foi publicada

Três pedidos de autorização para autotestes de Covid-19, realizados pelas empresas LMG Lasers, MedLevensohn e Okay Technology, foram rejeitados pela Agência de Vigilância Sanitária (Anvisa), nesta segunda-feira, 7. A decisão que consistiu no primeiro resultado divulgado pela agência quanto a análise dos pedidos para os ‘exames caseiros’ foi publicada no Diário Oficial da União (DOU).

Os indeferimentos são referentes a pedidos de empresas que solicitaram a autorização a partir de 28 de janeiro, mesma data em que a Anvisa liberou o uso dos exames no Brasil e publicou norma regulamentando os exames caseiros. Contando com as três empresas que tiveram a autorização negada, 33 pedidos de registro foram realizados à Anvisa até o momento.

“Os pedidos foram negados em razão da falta de estudos e documentos completos sobre os produtos que solicitaram autorização”, afirmou a Anvisa, em nota. A primeira solicitação recebida pela agência foi realizada no dia 31 de janeiro. Entre os pedidos recebidos, sete foram analisados, sendo que três foram os rejeitados e quatro aguardam publicação da decisão no DOU, outros nove estão em análise e 17 só foram distribuídos a área responsável até o momento.

Os autotestes que tiveram sua implementação adotada no Brasil no fim de janeiro consistem em exames rápidos de antígeno que podem ser realizados pela própria pessoa, em casa, sem a necessidade que ela se dirija à farmácia, laboratório ou hospital. Até o momento o produto era proibido no Brasil. Outros três testes chegaram a ser rejeitados nesta segunda-feira, 6, mas se tratam de solicitações realizadas antes de 28 de janeiro. Todos os pedidos feitos antes da publicação da regulamentação aos exames caseiros são indeferidos.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.