Andrey Azeredo manobra, revolta vereadores e Iris sofre derrota na Câmara

Presidente da Câmara tentou votar pedido de vistas de projeto que revoga IPTU Contínuo de supetão e foi surpreendido

Numa clara manobra, o presidente da Câmara Municipal de Goiânia, Andrey Azeredo (PMDB), colocou em votação, na manhã desta terça-feira (5/9), um pedido de vistas do projeto que revoga o IPTU Contínuo, de interesse da gestão municipal.

Caso fosse aprovada a retirada de pauta, daria tempo para que o prefeito Iris Rezende (PMDB) “convencesse” outros vereadores a manter o projeto — aprovado na legislatura passada e criticado pelo próprio decano peemedebista.

Assim que o vereador Oséias Varão (PSB), defensor árduo do projeto terminou seu inflamado discurso, o presidente da Casa, antes mesmo de conceder a palavra a parlamentares citados, colocou em votação o pedido de vistas.

No entanto, em vez de colocar votação no painel eletrônico, que mostra o nome e como votou cada vereador, Andrey Azeredo decidiu fazer apenas conferência “visual”. A decisão revoltou parlamentares, como o próprio colega de partido, Clécio Alves (PMDB), que gritou em protesto.

Além dele, Paulo Magalhães (PSD), Elias Vaz (PSB), Lucas Kitão (PSL), Jorge Kajuru (PRP) e Priscilla Tejota (PSD) protestaram veementemente.

O presidente chegou a declarar que o pedido de vistas havia sido aprovado, quando, na verdade, não havia.

Veja abaixo:

Em resposta, Andrey Azeredo disse que agiu dentro do regimento. “Regimentalmente não há obrigatoriedade que pedido de vistas seja votado em painel. A dúvida ocorreu não por falha, mas pela balburdia do plenário”, completou.

Após a primeira derrota, o presidente colocou a votação no painel eletrônico e o projeto foi, novamente, derrotado. Foram 17 votos contra o pedido de vistas e 14 a favor.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.