André Fortaleza sai em defesa da criação de novos cargos na Câmara de Aparecida

Presidente da Casa garantiu que adição de servidores não tem impacto negativo no orçamento do município

Presidente da Câmara de Aparecida de Goiânia, André Fortaleza (MDB) defende a criação de novos cargos na Casa e declarou que a adição no quadro não acarretará nenhum problema fiscal para o município. Segundo ele, o duodécimo [repasses mensais feitos pela prefeitura para custear o funcionamento da Câmara] aumentou para R$ 3,49 milhões, o que permite abrigar os 25 novos servidores sem impactos financeiros danosos para o orçamento. Além disso, ele afirmou que o reajuste salarial para o Executivo Municipal – referente a data base dos anos de 2020 e 2021 – está dentro da margem de gasto, 8% abaixo do teto.

A abertura de 25 novos cargos comissionados da Câmara de Aparecida foi anunciada no dia 23 de março deste ano. Com a criação das novas funções, cada um dos 25 vereadores do município poderá ter mais um assessor, com salário de R$ 3.054,86 mensais. Ao todo, os valores somam R$ 76.371,50 por mês e quase R$ 1 milhão (R$ 916.458) ao ano.

Um mês antes, a Casa regulamentou reajuste salarial de R$ 700 para servidores executivos, com base no Índice Geral de Preços (IGP-10), medido a partir de 1º de abril de 2019. Segundo parlamentares, esse reajuste estava parado desde 2019, quando foi feito amparo para regulamentação salarial de servidores da Casa Legislativa, com aumento de R$ 900. A defesa foi feita durante a sessão para prestação de contas na Câmara Municipal de Aparecida de Goiânia.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.