“São raposas velhas da política e não gostaram das críticas que fiz e faço sobre a gestão anterior”, afirmou

O deputado Amauri Ribeiro (PRP) falou ao Jornal Opção que os deputados Cláudio Meirelles (PTC) e Lêda Borges (PSDB) estão tentando tirá-lo do sério, por conta de declarações dadas pelo parlamentar que desagradaram seus pares. “São raposas velhas da política e não gostaram das críticas que fiz e faço sobre a gestão anterior”, afirmou.

Sobre a tentativa de agressão contra Cláudio na sala da presidência, após a sessão desta quinta-feira, 11, Amauri disse que é uma história inventada. “Isso não aconteceu, estão tentando fazer isso comigo, só falta os dois pegarem minha mão e bater na cara deles”, ironiza.

“Eu estava na sala para falar com o presidente quando eu vi os dois parlamentares entrando na sala sem ao menos avisar. Chegaram me desaforando, várias pessoas viram. O Claúdio foi lá falar que era homem e que falaria comigo como bem entendesse”.

Amauri relata que os colegas estão fazendo provocações. “Alguns políticos, verdadeiras raposas velhas, não gostam de mim. São defensores do Marconi Perillo, mamaram nas tetas do governo e eu critico isso ai”, apontou Amauri ao pontuar que esse seria o motivo da colega peessedebista o criticar.

E volta a atacar

“Questionam tudo e fazem ironia na minha cara não, mas eu respondo eles à altura. Os dois não estão acostumados a ouvirem criticas, eu uso a tribuna e a Lêda fica fora do microfone me atrapalhando”, disse. “Ela é atrevida e arrogante, se faz de vítima por ser mulher”, completou.

Em conversa com o Jornal Opção, Lêda disse que apenas exige que o regimento da Casa seja cumprido. Segundo ela, as divergências não são pessoais contra o deputado e que sua intenção não é entrar na discussão entre ele e Cláudio Meirelles.

“Minha interferência não foi a ele, mas ao presidente, para que fosse cumprido o regimento, ele me atacou dizendo que eu vivo ‘chiando’, mas deputada não chia, deputada argumenta, e não me faço de vítima, tanto que o respondi”, disse ao reiterar que não tem nada pessoal contra o colega de parlamento.