Alvo de investigação, Parque Mutirama deve reabrir as portas em dois meses

Informação é do presidente da Agetul, Alexandre Magalhães, indiciado na semana passada por pane em uma das atrações do espaço de lazer

Fechado desde julho deste ano e alvo de nova investigação pela Polícia Civil, o Parque Mutirama deve reabrir as portas em um prazo de 60 dias. A informação é do presidente da Agência Municipal de Turismo, Eventos e Lazer (Agetul), Alexandre Magalhães.

Em entrevista ao Jornal Opção nesta quinta-feira (26/10), o titular informou que aguarda apenas o resultado de uma licitação por parte da Secretaria Municipal de Administração (Semad) para que o espaço de lazer volte a ter o funcionamento normalizado.

O processo licitatório diz respeito à contratação de uma empresa para realizar a manutenção dos brinquedos. “O trâmite fica por conta da Semad, mas, em um prazo de 60 dias, o Mutirama poderá reabrir as portas”, informou o presidente da Agetul.

O Mutirama foi fechado no dia 26 de julho após pane em uma das atrações do parque deixar 13 pessoas feridas. Na última semana, a Polícia Civil indiciou três pessoas pela tragédia, incluindo Alexandre Magalhães pelo crime de lesão corporal culposa por omissão.

Segundo o que apresentou o delegado Isaías Pinheiro, responsável pelas investigações, o titular foi responsabilizado por permitir que o parque funcionasse mesmo sem um engenheiro junto ao Conselho Regional de Engenharia e Agronomia de Goiás (Crea-GO).

Sobre o indiciamento, Alexandre Magalhães afirmou que ainda não foi notificado, mas diz estar tranquilo quanto à denúncia. Ele atribui a responsabilidade da tragédia à gestão anterior, que reformou o brinquedo “Twister”, alvo da pane, no ano de 2012, ignorando fissura de quase 10 centímetros em sua estrutura.

Quanto à denúncia de que permitiu o funcionamento do parque sem a presença de um profissional habilitado, o presidente criticou a atuação da Polícia Civil e defendeu que, neste caso, “não há motivo para crime penal”. O Jornal Opção entrou em contato com o delegado Isaías Pinheiro, responsável pela investigação, mas as ligações não foram atendidas.

Nova investigação

Mesmo após o indiciamento dos suspeitos no caso da tragédia do Mutirama, a Polícia Civil continua investigando as condições dos brinquedos no Parque Mutirama. Após a Polícia Técnico-Científica entregar o laudo pericial do brinquedo “Twister”, concluindo que a tragédia no espaço de lazer poderia ter sido evitada, o delegado responsável pelas investigações, Isaías Pinheiro, solicitou perícia em outras atrações do espaço.

Segundo ele, denúncias feitas por funcionários e frequentadores dão conta que o parque possuiria em torno de seis brinquedos em estado pior que o “Twister”. Dentre as suspeitas de irregularidades, a polícia adianta a possibilidade da existência de um remendo na base da “Barca Pirata”, infiltrações no “Cine 4D” e no “Castelo”, com risco de desabamento do teto, além de freios funcionando de forma improvisada em uma atração chamada “Torre”, na qual cadeiras sobem até determinada altura e, em seguida, descem em alta velocidade.

Questionado sobre a atual situação do Mutirama frente à iminente reabertura do parque, Alexandre Magalhães sinaliza que o espaço será entregue com totais condições de uso. “Hoje, a reabertura do Mutirama é a maior demanda na Agetul. Recebemos dezenas de ligações por dia para saber quando o parque voltara à ativa”, contou.

Deixe um comentário