Alunos acusam coordenadora da PUC Goiás de cobrar mensalidades atrasadas em sala

Turma de Comunicação Estratégica relata que situação foi constrangedora. Reportagem apurou que orientação teria partido da Reitoria da universidade

Alunos da PUC Goiás comentam cobrança em conversa por WhastApp | Reprodução

Coordenadora avisou que assunto seria tratado em sala | Reprodução

Estudantes do quinto módulo da pós-graduação em Comunicação Estratégica da Pontifícia Universidade de Goiás (PUC Goiás) reclamam de constrangimento que passaram recentemente em sala de aula. Eles relatam que no último dia 20 a coordenadação da quinta turma do curso cobrou em sala as parcelas atrasadas dos alunos. O Jornal Opção apurou que a orientação teria partido da própria reitoria da universidade, por meio da Coordenação de Pós-Graduação Lato Sensu.

Uma pós-graduanda que prefere não se identificar conta  que a situação foi vergonhosa. “Foi lida uma lista de alunos inadimplentes dizendo que estavam atrapalhando o processo administrativo da pós. Nome por nome em voz alta, para toda a sala. Só que tem um detalhe, os alunos não estão devendo, o problema é no sistema da PUC Goiás”, relata. As matrículas dos alunos teriam sido canceladas. A secretaria da instituição foi indicada como fonte da solução do impasse.

“Me diz que direito a coordenação tem de nos expor dessa forma? O mais admirável é uma instituição como a PUC Goiás, defensora dos princípios de cidadania e religiosidade, permitir ou incentivar que seus docentes pratiquem tal ato, causando constrangimento”, lamenta, completando que irá trancar a matrícula. A instituição informou que o caso será averiguado e que desconhece a situação. “A prática não é política da universidade.”

Depois do ocorrido, outros alunos também teriam desistido de continuar na pós, que está no primeiro ano. A turma tem estudantes do interior goiano, como Bela Vista e Caldas Novas, Brasília e Minas Gerais. São dois anos de curso, que foi iniciado em maio. As parcelas mensais custam R$ 371.

“Acho antiético, deveria chamar em particular. Eu estou inadimplente. Mas tem aluno que não está. Teve gente que levantou para falar que aquela situação era ridícula. Isso é feio”, cita outro estudante, que prefere o anonimato. Por enquanto, a fonte diz que pretende continuar no curso.

Quatro dias antes da situação, a coordenadora da pós, a mestre e doutoranda Patricia Quitero Rosenzweig fez publicação em um grupo no Facebook destinado apenas a alunos. “Gostaria que todos chegassem pontualmente às 8h para conversarmos sobre algumas questões importantes: faltas, perdas de módulos, disciplinas por acompanhamento, TCC, orientações, participação de vocês no simpósio e atrasos de pagamento que estão gerando problemas para o lançamento das notas nas pautas.”

Os alunos repercutiram o conteúdo em conversas por mensagem de celular. “Alocka! Além de expor as pessoas, o fez de maneira desnecessária causando o maior constrangimento (sic).”

Outro lado

Em entrevista, Quitero reconheceu a situação e destacou que os alunos a entenderam mal. “Minha preocupação é apenas com eles. Entrei na sala sim e falei. Mas interpretaram de maneira errada. O que queria era que todas as informações da pauta com frequência e notas ficassem registradas corretamente no sistema. Depois é difícil encontrar os professores para entregá-las, já que os encontros são quinzenais.”

A coordenadora afirmou ainda que também se sentiu incomodada com a situação. “Cheguei a pedir desculpas no mesmo momento. Não falei ‘você está devendo’. Seria incapaz de constranger alguém. Se aquela turma da pós existe é porque eu batalhei. Liguei para cada um para que pudessem se ingressar. Por isso, fico duplamente chateada.”

pos puc

Alunos da PUC Goiás comentam cobrança em conversa por WhastApp

3 Comment threads
1 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
4 Comment authors

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Lucas Rigonato

“Alocka!”rs

Rodrigo de Paula

Absurdo o que aconteceu com estes alunos. Tal postura se mostra desarrazoada e desproporcional, sem dizer que se trata de desrepeito ao em maior que a Instituição possui que são os seus alunos. Além mais, como fornecedora de serviços, a Instituição violou regras básicas de defesa do consumidor, expondo seus alunos ao rídiculo e à execração pública, o que, inegavelmente, ensejaria, inclusive, reparação por danos morais. Assim, na condição de advogado e atuante assíduo neste ramo do direito, o nosso escritório encontra-se a disposição a quem interessar possa para maiores esclarecimento a respeito e para tomar as medidas judiciais visando… Leia mais

Chrystal Méndez

Meu caro, você não é doutor só porque tem graduação em direito.

Amanda Soares

A verdade é que já estudei aí e essa mulher é uma TREMENDA IRRESPONSÁVEL, ela colocava um papel na porta da sala dela mostrando o horário de trabalho dela e ela não estava lá no horário de trabalho hahaha, ela fugia com roupas de ginática pela escada, ela não sabia nem quem era Kotler ou wikipedia e gostava de humilhar as pessoas, no meu trabalho de conclusão tivemos que deixar a apostila na sala passando por debaixo da porta porque não conseguíamos encontra-la e ela era uma das orientadoras, depois ela reclamou em uma reunião por ter de corrigir o… Leia mais