Além de Waack, outros jornalistas foram flagrados destilando racismo. Veja lista

Vídeo vazado do âncora da Globo não foi o primeiro caso de preconceito por parte de profissionais da imprensa

Um vídeo vazado nesta terça-feira (8/11) mostra o jornalista William Waack fazendo ofensas racistas durante intervalo de um noticiário da Globo. “Tá buzinando por quê, seu merda do cacete? Não vou nem falar, porque eu sei quem é… é preto. É coisa de preto”, diz ele irritado em um estúdio da Globo.

Infelizmente, o jornalista não foi o primeiro a ser racista. Veja a lista de outros profissionais que destilaram preconceito na imprensa:

Alê Oliveira

Alê Oliveira |Foto: Reprodução/Instagram

O comentarista Alê Oliveira foi acusado de racismo por uma maquiadora da ESPN. Após a divulgação do caso, o profissional deixou a emissora, mesmo negando o preconceito. “A ESPN e o comentarista Alexandre Oliveira decidiram, em comum acordo, encerrar o contrato. Muito embora não tenha sido constatada ofensa racial em recente episódio envolvendo uma funcionária da ESPN, as partes optaram por não continuar com o contrato. A ESPN agradece ao comentarista pelos anos de parceria e deseja sucesso em seu futuro profissional”, disse a ESPN em nota.

Lourival Santos

Lourival Santos | Foto: Reprodução/Youtube

O apresentador do SBT de Maringá, Lourival Santos, foi detido por racismo na final do Campeonato Paranaense, em Maringá, entre o clube local e o Londrina. Santos teria ofendido o lateral direito do Londrina, Maicon Silva, ao chamá-lo de macaco.

Depois do episódio, a Rede Massa, que transmite o SBT no Paraná, decidiu afastar o apresentador que comandava uma programa esportivo no canal.

Em nota oficial, a emissora afirmou que “repudia e condena todo e qualquer ato de racismo” e que “não responde pelo ato de seu colaborador”.

Marcão Chumbo Grosso

Marcão Chumbo Grosso | Foto: Reprodução/Facebook

A Record TV anunciou, via comunicado, a demissão do jornalista Marcão Chumbo Grosso, do Balanço geral. Durante o quadro A hora da venenosa, na edição do Distrito Federal da atração, ele chamou a cantora carioca Ludmilla de ”macaca”.

Por meio de sua página no Facebook, Ludmilla afirmou que “trata-se um desrespeito absurdo e vergonhoso”. “Infelizmente, ainda existem pessoas que não compreendem que a discriminação racial é crime e alguns ainda usam o espaço na mídia para noticiar mentiras a meu respeito, ofender, menosprezar e propagar todo o seu ódio. Não deixaremos impune tais atos, trata se de um desrespeito absurdo, vergonhoso”, escreveu a cantora.

Neila Medeiros

Neila Medeiros | Foto: Divulgação/SBT

Quando era apresentadora do Notícias da Manhã, do SBT, Neila Medeiros cometeu uma gafe e disse que aquele era “dia de branco, dia de trabalhar”, enquanto comentava o trânsito em São Paulo.

O comentário de racismo internalizado foi ainda mais polêmico porque foi feito um dia depois do feriado da Consciência Negra.

Paulo Henrique Amorim

Jornalista Paulo Henrique Amorim | Foto: Wanezza Soares

Em 2009, o jornalista Paulo Henrique Amorim publicou no site “Conversa Afiada” que o jornalista da TV Globo Heraldo Pereira era “negro de alma branca” e que não conseguiu revelar nada além de ser “negro e de origem humilde”.

Paulo Henrique Amorim foi condenado por crime de injúria racial pela Terceira Turma Criminal do Tribunal de Justiça do Distrito Federal. A pena ficou em 1 ano e 8 meses de prisão, mas foi substituída por restrição de direitos.

 

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.