Alcolumbre defende reabertura de mineradora em Minaçu

Mina foi fechada após STF banir extração de amianto no País. “Precisamos restabelecer a independência dos Poderes”

Em visita à Minaçu com Comissão Temporária Externa para verificar a condição dos trabalhadores da Mineradora Sama, fechada após o Supremo Tribunal Federal (STF) banir a extração de amianto no País, o senador e presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM) disse que a comitiva está ali para levar ao STF e a Procuradoria-Geral da República o sentimento da população.

Ao lado de Alcolumbre estavam os também senadores, Vanderlan Cardoso (PP), Luiz do Carmo (MDB) e Chico Rodrigues (DEM), bem como o governador Ronaldo Caiado (DEM). “Nós estamos vindo aqui, representar o Senado da República, para ver de perto o quanto esta empresa gera de riqueza, paga impostos, gera emprego. O que o povo brasileiro quer é emprego. É ter oportunidade. Não é possível uma decisão judicial interferir na vida das pessoas”, disse o presidente, que também estava acompanhado pelo deputado Gilberto Nascimento (PSC-SP).

Segundo Davi, o senado vai respeitar a autonomia e independência dos poderes, mas, também, atuar fortemente, junto ao STF, a partir de uma comissão externa. “Isso não é brincadeira, o senado vai voltar com o sentimento da população de Minaçu, defendendo a retomada desta empresa, defendendo a soberania nacional”.

Invasão de competência

Para Davi, o sentimento da sociedade é que o Supremo legisla no lugar do Congresso. “Nós precisamos restabelecer a independência dos Poderes. Não podemos dar decisão judicial, mas nós não podemos também aceitar uma decisão judicial que interfere na vida das pessoas. O povo de Minaçu está, hoje, no foco central do senado da República”.

O senador goiano, Vanderlan Cardoso pontuou que o objetivo do Senado é, junto da Câmara dos Deputados e Assembleia Legislativa, conferir a quantidade de emprego perdida na cidade, que tem quase 40 mil habitantes. “Acho que foi uma decisão equivocada. Se buscarmos uma solução junto com os trabalhadores, a classe política do município, do Estado de Goiás, do Senado, com certeza, será revista essa posição”, disse o pepista sobre a decisão do STF.

Revisão

Para o governador Caiado, uma decisão de tamanha importância como a do STF não pode ser contaminada por imposições multinacionais, “que querem suspender aquilo que Deus nos deu, que é a única mina de amianto/crisotila do mundo. O Supremo tem que rever esta decisão. Não é apenas uma vila que se fecha neste momento, é uma cidade que vai desaparecer”.

Ainda segundo o gestor estadual, a revisão é em favor do País. “Seu gesto”, se dirigiu a Alcolumbre, “vai contribuir muito para podermos manter viva Minaçu e a nossa exploração de amianto/crisotila”.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Nielma perePer Silva

Minaçu nasceu da sama e não temos cál certoultima aqui por causa do minério, temos câncer devido ao cigarro devido a agrotóxicos
O uso controlado do amianto não causa câncer. O câncer está instalado na língua dos mafiosos concorrentes de fibras alternativas que não de cansam de colocar mentiras na mídia . MINAÇU convida o STF fazer uma visita a mineradora Sama para conhecer a tecnologia da extração do Minerio.