Aidar vai sugerir que benefícios para indústria do arroz sejam iguais aos do Mato Grosso

Relator ainda provoca presidente da Coca-Cola Goiás a “atacar como fez no Facebook”

Relator da CPI, deputado Humberto Aidar (MDB) (Foto: Maykon Cardoso/Alego)

A indústria do arroz não estava no radar da CPI dos incentivos fiscais, de acordo com o relator Humberto Aidar (MDB), já que o setor não recebe os créditos outorgados. Ele diz, no entanto, que intermedia as tratativas entre o Governo e os industriais.

Aidar avalia ainda que seria solução intermediária ao decreto assinado pelo governador Ronaldo Caiado (DEM) parear os benefícios concedidos por Goiás  aos do Estado do Mato Grosso. “Levarei essa proposta ao Governo. E ele têm ouvido todos os setores, não vejo como algo difícil”, diz.

Ele diz que há uma disparidade entre os dados apresentados pelo Sindicato das Industrias de Arroz do Estado de Goiás e os da Secretaria da Economia. “O sindicato diz que gera 5 mil empregos e a secretaria diz que são apenas 1,6 mil. Queremos saber quem está com a verdade”, indaga.

A CPI convidou a secretária Cristiane Schimidt para oitiva no dia 9 de dezembro.

Coca-Cola

Aidar ainda provocou o presidente da refrescos Bandeirantes, José Alves, para que ele ataque a CPI durante a oitiva, “como fez no Facebook”. “Nós vamos dar a oportunidade para que ele venha aqui e nos ataque na nossa presença. Queremos saber até onde vai a coragem dele em desmerecer o trabalho da CPI”.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.