Advogado revela detalhes da contratação para defender esfaqueador de Bolsonaro

O presidente eleito sofreu um atentado no dia 7 de setembro de 2018, em Minas Gerais

Foto: Reprodução

Após três meses do atentado contra o presidente eleito Jair Bolsonaro, o criminalista Zanone Manuel de Oliveira Junior, coordenador da defesa de Adélio Bispo, em depoimento à Polícia Federal, contou detalhes de como foi contratado para ajudar o criminoso perante a Justiça. As informações são da revista Veja.

Ele conta que logo após o atentado contra o presidente eleito, foi procurado por um desconhecido para atuar no caso. “Aquela pessoa se apresentou como conhecido de Adélio Bispo da cidade de Montes Claros, esclarecendo que conheceu o autor do fato criminoso em relacionamentos vividos no meio religioso naquela cidade”.

O advogado ainda lembra que o contratante disse ter conhecido Adélio numa “evangelização na cidade de Salinas, Minas Gerais”.  Ele disse ainda que se reuniu com o desconhecido em seu escritório em Belo Horizonte, na manhã seguinte ao atentado, em 7 de setembro.

Naquele encontro, o advogado disse que cobrava, em média, R$ 150 mil em honorários. Mas o contratante considerou o valor alto. O criminalista, então, ofereceu um desconto de 83% — e receber R$ 25 mil até a conclusão da investigação da Polícia Federal. “Aquela pessoa aceitou a proposta e pagou inicialmente o valor de 5 000 reais em dinheiro”, disse Zanone. O restante seria pago em outras parcelas mensais. No entanto, o interessado em ajudar Adélio “desapareceu”.

Ao se justificar por que aceitou defender Adélio por um valor inferior ao que costuma cobrar de seus clientes, Zanone disse que a “causa seria de interesse de qualquer advogado”. Ele também afirmou que contava com a possibilidade de participar de uma “audiência em plenário do júri em que estariam presentes testemunhas como o ex-presidente Lula, o deputado federal Jean Wyllys, a cantora Preta Gil e a deputada Maria do Rosário”.

O advogado arrolou essas pessoas, consideradas por ele desafetos do presidente eleito, para serem interrogadas no tribunal. A estratégia era dar uma grande exposição ao caso, assim como no julgamento do goleiro Bruno Fernandes de Souza, em que Zanone representou o ex-policial Marcos Aparecido dos Santos, o Bola.

 

1 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
1 Comment authors

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

RICARDO DIAS CALDEIRA

todo advogado é treinado para mentir.