Adesivos do PT e PMDB motivaram agressão contra funcionário da Prefeitura de Aparecida de Goiânia

Confusão teve início após clientes de um bar proferirem ofensas contra Nelson Andraschko, amigos e familiares. Ninguém foi preso

Professor Nelson Andrascho 2

Professor Nelson Andrascho foi agredido por portar adesivo de Iris e Dilma | Foto: Divulgação

O superintendente administrativo-financeiro da Secretaria de Educação de Aparecida de Goiânia, o professor de Matemática Nelson Andraschko, foi agredido na madrugada deste domingo (26/10). Segundo nota divulgada pela assessoria do Paço Municipal, cerca de dez pessoas teriam agido contra o funcionário público em frente ao Alabama Bar, no Setor Marista, em Goiânia.

A confusão teria se iniciado após clientes do estabelecimento, entre homens e mulheres, começarem a agredir verbalmente Nelson Adraschko, amigos e familiares. O grupo usava em suas roupas adesivos do candidato ao governo de Goiás, Iris Rezende (PMDB), e da presidente Dilma Rousseff (PT), que concorre à reeleição.

Nelson Andraschko comemorava o aniversário de 53 anos e, acompanhado da esposa, Tânia Alves Andraschko, chefe de gabinete do prefeito Maguito Vilela (PMDB), resolveu deixar o local. No entanto, os provocadores saíram do bar e tentaram arrancar um adesivo da petista, que estava colado no carro dele.

O superintendente de Trânsito de Aparecida de Goiânia, Valdemir Souto, e o secretário de Trabalho e Emprego, Adriano Montovani, tentaram intervir na confusão, quando um homem não identificado teria jogado bebida no rosto de Nelson Andraschko e da esposa. Depois, partiram para a agressão física. Ainda estavam no local os secretários Valdemir Souto, do Trânsito (SMTA), e Afonso Boaventura, do Planejamento.

“Juntaram entre 10 e 15 homens agredindo com socos e chutes meu esposo que já estava no chão. Quando conseguimos retirar ele daquela situação, entramos no carro e as agressões continuaram. Um grupo de mulheres me puxava e tentava evitar que eu entrasse no carro, que também recebeu chutes. Foi horrível. Nunca imaginei passar por essa situação por causa da nossa opção política”, relatou Tânia Andraschko.

O professor ficou com várias escoriações no rosto. O casal também sofreu prejuízo material, pois o veículo deles foi danificado e o celular da vítima foi roubado durante a confusão. Um boletim de ocorrência foi registrado, mas a polícia não tem pistas sobre os supostos agressores.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.