Acusado de triplo homicídio em Corumbá também é investigado por morte em Minas

Wanderson Mota Protácio ainda é procurado pela polícia. Ele é suspeito de assassinar a facadas a esposa, a enteada e um fazendeiro. Em Minas, ele é investigado por homicídio de um taxista

Foragido desde a morte da esposa, que estava grávida, da enteada e de um fazendeiro em Corumbá de Goiás, entorno do Distrito Federal (DF), Wanderson Mota Protácio, de 21 anos, também é acusado de matar a facadas um taxista em São Gotardo, estado de Minas Gerais, em 25 novembro de 2020. Nesse caso, ele teria contado com a participação de dois adolescentes.

Segundo a acusação, no dia do crime, em Minas Gerais, ele, com a ajuda dos comparsas, chamou o taxista Maurício Lopes Mariano, de 25 anos, e durante o trajeto obrigaram o motorista a desviar o caminho. Eles teriam, de acordo com a polícia, cortado o cinto de trás e usado para arrastar o taxista em uma árvore. Wanderson teria a intenção de roubar o carro e deixar o condutor no local, porém, teria decidido voltar até o motorista e efetuar 18 golpes de facas nele. Os ferimentos atingiram as costas, cabeça, pescoço, mão esquerda e a lombar.

O taxista Maurício teve os punhos amarrados e foi colocado no porta malas do carro. Na MG-230, o grupo retirou o homem do veículo e o levou até uma área de mata, quando Wanderson teria assassinado a vítima. Segundo a PM, Wanderson matou o taxista por medo de o grupo ser reconhecido pela polícia, já que revelaram os nomes durante conversa entre eles. A faca teria sido jogada num rio.

Depois do crime, os suspeitos foram até Patrocínio, onde entraram em contato com uma pessoa pelo nome de Augusto, o qual teria trocado o carro por droga e uma televisão, sendo que o aparelho foi vendido posteriormente para uma pessoa não informada.

Goiás

Em Corumbá de Goiás, Wanderson é procurado por suspeita de triplo homicídio. O jovem teria matado a facadas a esposa dele, Raniere Aranha de 19 anos e a enteada Geysa Aranha da Silva Rocha, de 2. Após isso, invadiu uma fazenda próxima e matou o proprietário Roberto Clemente de Matos com tiro na cabeça, além d eatingir no ombro a mulher do fazendeiro, que fingiu estar morta.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.