A CPMI que investiga os ataques golpistas do dia 8 de janeiro vai ouvir na próxima terça-feira, 11, o tenente-coronel Mauro César Barbosa Cid, que foi ajudante de ordens do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL). 

Cid é acusado de articular uma intervenção militar contra o Tribunal Superior Eleitoral (TSE). 

A articulação começou após as eleições presidenciais de 2023. Cid está preso desde 3 de maio, acusado de falsificar cartões de vacinação.

Uma perícia da Polícia Federal encontrou no celular de Cid trocas de mensagens com outros militares. As conversas falavam de ações que configurariam um golpe de Estado.

A ministra Cármen Lúcia, do Supremo Tribunal Federal (STF), definiu que Mauro é obrigado a prestar depoimento à CPMI. Ele pode estar acompanhado por advogados e tem o direito de ficar em silêncio. Com a prisão, ele será escoltado pela polícia. 

Lei também:

A mensagem no celular de Mauro Cid que tira o sono do clã Bolsonaro

Defesa de Bolsonaro não sabia de depoimento de Mauro Cid sobre documentos golpistas