Acordo define data para eleição de diretores das escolas estaduais

Projeto enfrentava impasse visto que alguns deputados defendiam que a escolha acontecesse ainda no primeiro semestre e outros queriam o pleito em novembro

Francisco de Oliveira (PSDB) durante Comissão Mista desta terça-feira (8/5) | Foto: Denise Xavier

O projeto que trata das eleições para diretores da rede estadual de ensino está em tramitação na Assembleia Legislativa e enfrentava impasse quanto a definição da data do pleito. Mas, depois de reunião entre o líder da base, deputado Francisco de Oliveira (PSDB), o secretário estadual de Educação, Marcos Tucano, o relator do projeto, deputado Jean Carlo e o Sindicato dos Trabalhadores em Educação (Sintego), os parlamentares chegaram a um consenso.

Francisco de Oliveira informou durante a Comissão Mista desta terça-feira (8/5) que vai apresentar voto separado para que as eleições aconteçam no dia 7 de junho. Ficou definido ainda que o mandato terá prazo de três anos e que cada diretor poderá se reeleger por duas vezes.

“Nós tinhamos uma dificuldade na base porque alguns parlamentares queriam que fosse após as eleições com a preocupação de pudesse haver algum tumulto no próprio processo atrapalhando o ano letivo, mas ficou definido que se as eleições fossem antes do dia 10 de junho não teríamos esse problema”, disse.

Para a presidente do Sintego, Bia de Lima, o acordo que permite que as eleições sejam realizadas ainda no primeiro semestre representa um ganho para as escolas. “Depois de uma longa conversa, nós entendemos que buscamos e conseguimos esse entendimento. O ano letivo não será prejudicado então conseguimos um bom termo”, avaliou.

4 respostas para “Acordo define data para eleição de diretores das escolas estaduais”

  1. Luciene disse:

    PELA GRANDE EXPERIENCIA EM GESTAO ESCOLAR, ACHO QUE PODERIA ACONTECER SOMENTE EM NOVEMBRO.

  2. Prezados Senhores.
    Não se trata de prejudicar o ano letivo e sim os servidores que já foram designados e poderão ser afastados antes do contrato terminar. O fato é que muitos designados estão em substituição aos diretores e vice diretores que estão na ativa. O ideal para todos é que as eleições ocorram em novembro para posse em 1º de janeiro onde já se encerraram todos os contratos. Do contrário, o que o Estado fará com os designados que tinham prioridade nos editais e poderão ser dispensados?

  3. Prezados,
    É importante lembrar que deve-se levar em conta outro fator: o de que muitos diretores não fizeram a prova de certificação em 2018 por estar ainda dentro do prazo, a certificação de 2015.
    No caso de uma escolha no 2º semestre seria justo observar este ponto.

  4. Flavia Cristina Silva disse:

    Teria que ser no final do ano!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.