Ações para prevenir queimadas em parques de Goiás são definidas

Secretaria estadual responsável pela área de meio ambiente e o Corpo de Bombeiros se reuniram na quinta-feira (9/6) para discutir atuação no período de estiagem

Foto: Divino Luiz/Secima

Autoridades da Secima, Corpo de Bombeiros e Batalhão Ambiental definiram agenda de ações para evitar tragédias ambientais nos parques estaduais | Foto: Divino Luiz/Secima

O secretário estadual de Meio Ambiente, Recursos Hídricos, Infraestrutura, Cidades e Assuntos Metropolitanos (Secima) Vilmar Rocha reuniu-se na quinta-feira (9/6) com o comando-geral do Corpo de Bombeiros e do Batalhão Ambiental da Polícia Militar para definir as estratégias a serem adotadas para prevenir e combater focos de incêndio nos parques estaduais com a chegada do período de estiagem e baixa umidade em Goiás.

A reunião foi realizada na sede administrativa do Parque Altamiro de Moura Pacheco (Peamp) com o coronel Divino Aparecido de Melo, que é subcomandante geral dos Bombeiros, o tenente-coronel Esmeraldino Jacinto Lemos, do Comando de Operações de Inteligência dos Bombeiros, o coronel Múcio Ferreira dos Santos, do Comando de Operações de Defesa Civil, e o tenente-coronel João Batista de Freitas Lemes, comandante do Comando de Policiamento Ambiental da Polícia Militar (Batalhão Ambiental).

Os superintendentes de Meio Ambiente, Jacqueline Vieira, de Unidades de Conservação, José Leopoldo de Castro, de Recursos Hídricos, Maurício Veiga Jardim, e de Licenciamento e Qualidade Ambiental da Secima, Gabriela de Val Borges, também participaram da reunião.

“Temos onze parques estaduais em Goiás. São unidades de conservação importantes, mas muito grandes e é difícil evitar incêndios, mas podemos prevenir e minimizar os efeitos, trabalhando em conjunto e com planejamento”, afirmou Vilmar Rocha.

Entre as ações definidas estão a realização de aceiros nas divisas dos parques e margens de rodovias, o monitoramento dos parques com satélites e geoprocessamento. “O Corpo de Bombeiros já tem feito esse trabalho, mas a ideia é aumentarmos a vigilância principalmente nos pontos que são considerados mais críticos”, explicou o secretário.

“Todo grande incêndio começa com um pequeno foco. Se conseguirmos identificar com rapidez, podemos evitar que ele tome proporções maiores.”

Altamiro de Moura Pacheco

Com área de 3.183 hectares, os maiores riscos que correm o Parque Altamiro de Moura Pacheco são nas margens da BR-153 pela ação de pessoas que entram de forma clandestina no parque para pescar na barragem do Ribeirão João Leite.

“A faixa de domínio, que equivale a uma área de 50 metros entre a rodovia e o parque, é de responsabilidade da Triunfo-Concebra, que tem a concessão para conservar a rodovia. Dessa forma, já conversamos com eles para que sejam feitos estes aceiros no Peamp”, afirmou Vilmar Rocha.

O titular da Secima explicou que o Batalhão Ambiental vai intensificar o patrulhamento no parque para impedir a pesca clandestina e a entrada não autorizadas de pessoas na área.

O comando do Corpo de Bombeiros sugeriu o levantamento e a visitação a todos as propriedades rurais que fazem divisa com o parque, também às prefeituras dos municípios nos quais o Altamiro de Moura está presente.

“Iremos cadastrar e orientar todos os fazendeiros e trabalhadores rurais da região”, disse o coronel Lemos. “Muitas vezes os incêndios começam dentro das propriedades e se alastram para os parques. Eles podem nos ajudar num primeiro combate ou mesmo evitar as queimadas.”

Orientação

O trabalho de orientação e qualificação para combater incêndios é visto como fundamental pelo secretário. “Isso tem dois efeitos: identificar e qualificar pessoas que possam nos ajudar e aumentar o nível de conscientização ambiental, que também é uma grande forma de prevenção.”

Cursos serão oferecidos pelos bombeiros a partir de junho para formar brigadistas voluntários entre os moradores das proximidades dos parques, servidores da Secima e prefeituras. A Secima informou que fará a doação de equipamentos adquiridos para ajudar no combate às queimadas, como capacetes, mochilas costais, botas e outros itens.

Os três órgãos pediram à população que tome cuidado e não inicie, mesmo que sem querer, queimadas, principalmente nessa época do ano. As autoridades lembraram que um cigarro arremessado pela janela de um carro pode causar uma tragédia ambiental de danos impossíveis de impedir. (Com informações da Comunicação Setorial da Secima)

Deixe um comentário