Para o procurador Pedro Antônio de Oliveira Machado, a jornalista defendeu a tortura, estimulou a ação de “justiceiros” e violou o princípio da dignidade humana

A jornalista Rachel Sheherazade poderá ter que se retratar pelo comentário feito em fevereiro deste ano na bancada do “SBT Brasil” sobre o episódio do jovem de 15 anos amarrado a um poste e agredido por populares no Rio de Janeiro. A informação é da colunista Mônica Bergamo, do jornal “Folha de S. Paulo”.

*Leia mais: Menor preso a poste com trava de bicicleta é apreendido por tentativa de assalto

Conforme a publicação, o Ministério Público Federal (MPF) iniciou uma ação civil pública em que pede a retratação do comentário da jornalista, sob pena de R$ 500 mil por dia em caso de descumprimento.

Em eventual decisão favorável, o SBT terá que pagar indenização de R$ 532 mil por “dano moral coletivo”. Para o procurador Pedro Antônio de Oliveira Machado, Rachel defendeu a tortura, estimulou a ação de “justiceiros” e violou o princípio da dignidade humana.

A emissora, por sua vez, informou que ainda não foi notificada pelo órgão ministerial.

O comentário referido na ação civil pública pode ser conferido no Youtube. No vídeo (abaixo), Rachel disse ser “compreensível” a atitude dos rapazes que prenderam o jovem nu ao poste e depois o agrediram. “O Estado é omisso. A polícia, desmoralizada. A Justiça é falha. O que resta ao cidadão de bem, que, ainda por cima, foi desarmado? Se defender, claro!”, argumentou a jornalista.