8,2 mil turistas podem ser infectados em Caldas Novas, aponta projeção da UFG

Nota técnica publicada pela universidade aponta riscos de flexibilização nas cidades turísticas de Goiás

Nota técnica publicada pela Universidade Federal de Goiás (UFG), na tarde desta sexta-feira, 19, aponta cenários de contaminação por Covid-19 nas cidades turísticas goianas. Caso haja flexibilização, com presença de turistas, pelo menos 8.250 visitantes podem ser infectados, caso pelo menos 2% deles cheguem à cidade já infectados e transmitindo o coronavírus.

Na cidade das águas quentes, com o horizonte temporal que vai até o dia 15 de agosto, com flexibilização, mas sem influxo adicional de turistas, o estudo aponta para um pico de demanda hospitalar no final de julho equivalente a 100 leitos/ dia de enfermaria e 26 leitos/dia em Unidade de Tratamento Intensiva (UTI).

Neste cenário, ainda, são estimados 56 óbitos causados por Covid-19 no período.

Caso os atuais níveis de distanciamento continuem, sem a presença de turistas, teria uma demanda de 40 leitos/ dia de enfermaria e oito em UTI, com 18 mortes até meados de agosto.

A prefeitura de Caldas Novas já anunciou, a partir de decreto publicado nessa semana, a retomada do turismo em julho.

O modelo feito pela UFG considerou horizonte de flexibilização a partir de junho/ julho de 2020 com foco em Caldas Novas e Pirenópolis, a partir de demanda do Comitê de Operações de Emergência (COE).

Pirenópolis

Pirenópolis está sendo uma das cidades mais afetadas pela perda de turistas / Foto: Wikimedia

Na cidade de Pirenópolis, mantendo-se os atuais níveis de distanciamento social, haveria até o final de setembro uma demanda de até 10 leitos/dia de enfermaria e um ou dois leitos em UTI. Neste cenário, são estimados quatro óbitos por Covid-19 no período que vai até 30 de setembro.

Outro cenário simulado seria o de flexibilização sem abertura para o turismo. Nesta possibilidade, teria um pico de demanda hospitalar equivalente a 30 leitos/dia em enfermaria, sete leitos dia em UTI e 24 óbitos até final de setembro.

Caso haja retomada do turismo, estima-se um total de 31 óbitos por Covid-19 no município.

Ainda no cenário com retomada do turismo, com o aumento de casos entre os moradores de Pirenópolis, sem que nenhum turista chegue à cidade infectado, pelo menos 1.179 visitantes poderiam ser infectados, cerca de 0,7% do total de turistas esperados na temporada.

Conclusão

O estudo conclui que a chegada de indivíduos infectados em municípios com fase inicial de crescimento da epidemia pode acelerar a velocidade da expansão da doença. Com a chegada de novos infectados em uma população que está em fase de declínio, mas que ainda possua número considerável de suscetíveis pode dar origem a uma nova onda de crescimento.

A nota técnica recomenda a manutenção das medidas de distanciamento social para minimizar o impacto da pandemia nos serviços de saúde e mortalidade da população.

Uma resposta para “8,2 mil turistas podem ser infectados em Caldas Novas, aponta projeção da UFG”

  1. Sonia Regina de Lima Teixeira disse:

    Sou radicalmente contra, tenho imóvel lá em Caldas e nem tão cedo não irei pra lá.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.