O Secretário de Assuntos Legislativos do Governo Lula (SAL) Elias Vaz (PSB-GO) se manifestou sobre a reunião com participação de Luciene Barbosa. Ela é casada com Clemilson dos Santos dos Santos Farias, de 45 anos, também conhecido como “Tio Patinhas”, traficante mais perigoso do Amazonas e líder do Comando Vermelho (CV) no Estado.

Luciene participou de outras duas reuniões nos últimos meses em com representantes do governo federal. Esses encontros foram revelados pelo Estadão. Em Brasília, a esposa de Tio Patinhas foi recebida também pelos deputados André Janones e Daiana Santos.

LEIA TAMBÉM

Facção criminosa assume atentado contra presidenciável no Equador

PCC embolsa R$ 4,9 bilhões por ano e preocupa autoridades europeias

A reunião, que ocorreu em 16 de março, contou também com a presença da ex-deputada estadual no Rio de Janeiro e vice-presidente da Comissão de Assuntos Penitenciários da (Anacrim-RJ), Janira Rocha, além de duas mulheres que tiveram os filhos assassinados (foto em destaque). Elias afirma que não tinha conhecimento de quem era Luciane na ocasião.

“Não fazia ideia de quem era ela. Ela falou que pertencia a um movimento de mulheres da população carcerária, mas em momento algum falou de quem era esposa. Também não perguntei porque ficaria ruim perguntar esse tipo de coisa. O único ‘Tio Patinhas’ que eu conheço é do desenho”, explicou o secretário.

O encontro foi realizado após um pedido da ex-parlamentar, realizado no dia 14 do mesmo mês, conforme Elias. A “dama do tráfico” quis tratar sobre assuntos penitenciários, principalmente em relação ao tratamento dos detentos, que estariam sofrendo maus-tratos.

“Durante a reunião ela tocou neste assunto, mas falei que não tinha como resolver porque não era na minha área. Posteriormente, no outro mês [abril], houve uma reunião com o secretário de assuntos penitenciários a meu pedido. Encaminhei para lá, foi apenas isso”, concluiu. 

Reunião com outros representantes 

Em um período de três meses, Luciene também teve reuniões com o Ministério da Justiça e Segurança Pública e Ministério dos Direitos Humanos e Cidadania. Em maio, ela foi recebida na sede da pasta, em Brasília, pela coordenadora de gabinete da Secretaria Nacional de Promoção e Defesa dos Direitos Humanos (SNDH), Érica Meireles. O encontro foi registrado por Luciene nas redes sociais.

Na postagem, Luciene agradece a Érica pelo “acolhimento” à pauta apresentada. Ela foi recebida como presidente da Associação Instituto Liberdade do Amazonas, que diz prestar assistência “jurídica” e “social” a presos do estado.

Governo se posiciona 

O Ministério da Justiça e Segurança Pública se manifestou sobre as duas reuniões que tiveram a participação de Luciene.  Em nota, a assessoria do ministro Flávio Dino afirmou que ela integrava uma comitiva de pessoas e esteve no prédio sem que fosse identificada. Leia abaixo a nota do Ministério da Justiça:

“No dia 16 de março, a Secretaria de Assuntos Legislativos (SAL) atendeu solicitação de agenda da ANACRIM (Associação Nacional da Advocacia Criminal), com a presença de várias advogadas.

A cidadã mencionada no pedido de nota não foi a requerente da audiência, e sim uma entidade de advogados. A presença de acompanhantes é de responsabilidade exclusiva da entidade requerente e das advogadas que se apresentaram como suas dirigentes.

Por não se tratar de assunto da pasta, a ANACRIM, que solicitou a agenda, foi orientada a pedir reunião na Secretaria Nacional de Políticas Penais (Senappen). A agenda na Senappen e da ANACRIM aconteceu no dia 2 de maio, quando foram apresentadas reivindicações da ANACRIM.

Não houve qualquer outro andamento do tema. Sobre atuação do Setor de Inteligência, era impossível a detecção prévia da situação de uma acompanhante, uma vez que a solicitante da audiência era uma entidades de advogados, e não a cidadã mencionada no pedido de nota. Todas as pessoas que entram no MJSP passam por cadastro na recepção e detector de metais.”

Quem é Luciene

Luciene foi condenada por lavagem de dinheiro, associação para o tráfico e organização criminosa e responde em liberdade. Tio Patinhas cumpre sentença de 31 anos de prisão. Eles são casados desde 2012. Em 2022, Luciene fundou a Associação Instituto Liberdade Amazonas, que afirma lutar pelos direitos dos presos.