O aumento de casos de meningite volta a preocupar especialistas em saúde. É uma doença grave e que pode levar à morte em até 24 horas, desde o início dos primeiros sintomas, ou deixar sequelas graves. Só neste ano, o Estado de Goiás teve oito óbitos por meningite e 45 casos confirmados da doença.

Com o objetivo de evitar a circulação da doença, vacinas foram liberadas para todas as faixas etárias. De acordo com a Secretaria de Estado da Saúde (SES), as doses estão disponíveis para toda a população não imunizada com objetivo de melhorar o índice de cobertura vacinal no estado.

Enquanto a meta preconizada pelo Ministério da Saúde é de 95% de imunização, Goiás registra 78,49% neste ano. “Não é aceitável que as pessoas morram de doenças que podem ser prevenidas. As vacinas são a melhor forma de proteção e estão disponíveis em todos os municípios”, reforça a superintendente de Vigilância em Saúde da SES, Flúvia Amorim.

Entre as vacinas ofertadas pelo SUS e que fazem parte do Programa Nacional de Imunização, estão: a meningocócica conjugada sorogrupo C; a vacina pneumocócica 10-valente (conjugada); a vacina pentavalente; a BCG; e a vacina meningocócica ACWY (conjugada). A avaliação acerca do imunizante adequado à cada pessoa é feita pelo profissional de saúde.

Sobre a doença:

A meningite é um processo inflamatório que atinge as membranas que envolvem o cérebro e a medula espinhal, podendo gerar sequelas e levar ao óbito. A doença pode ser causada por diferentes agentes, como bactérias, vírus, fungos e parasitas. As meningites bacterianas e virais são as mais preocupantes pela magnitude de sua ocorrência e potencial de produzir surtos. A vacinação é a forma mais eficaz de prevenção da doença.

Transmissão:

Em geral, a transmissão é de pessoa para pessoa, através das vias respiratórias, por gotículas e secreções do nariz e da garganta. Também ocorre transmissão através da ingestão de água e alimentos contaminados e contato com fezes.

Na meningite bacteriana algumas bactérias se espalham de uma pessoa para outra por meio das vias respiratórias, por gotículas e secreções do nariz e da garganta; outras bactérias podem se espalhar por meio dos alimentos.

Na meningite viral, a transmissão depende do tipo de vírus, podendo ocorrer contaminação fecal-oral, por contato próximo (tocar ou apertar as mãos) com uma pessoa infectada; tocar em objetos ou superfícies que contenham o vírus e depois tocar nos olhos, nariz ou boca antes de lavar as mãos; trocar fraldas de uma pessoa infectada; beber água ou comer alimentos crus que contenham o vírus. Alguns vírus (arbovírus) são transmitidos pela picada de mosquitos contaminados.

Sintomas:

As meningites provocadas por vírus costumam ser mais leves e os sintomas se parecem com os das gripes e resfriados. A doença ocorre, principalmente, entre as crianças, que têm febre, dor de cabeça, um pouco de rigidez da nuca, falta de apetite, irritação.

Meningites bacterianas são mais graves e em pouco tempo os sintomas aparecem: febre alta, mal-estar, vômitos, dor forte de cabeça e no pescoço, dificuldade para encostar o queixo no peito e, às vezes, manchas vermelhas espalhadas pelo corpo. Esse é um sinal de que a infecção está se alastrando rapidamente pelo sangue e o risco de infecção generalizada aumenta muito.

Nos bebês pode-se também observar:

– moleira tensa ou elevada;
– gemido quando tocado;
– inquietação com choro agudo;
– rigidez corporal com movimentos involuntários, ou corpo “mole”, largado.