Goiás registra 27.890 óbitos de Covid-19 até o momento, o que significa uma taxa de letalidade de 1.5%. Há 59 óbitos suspeitos que estão em investigação. A Secretaria de Estado da Saúde de Goiás (SES-GO) informa que há 1.864.328 casos de doenças pelo coronavírus no território goiano. No Estado, há 904.329 casos suspeitos em investigação e 373.809 casos já foram descartados.

Levantamento realizado pela SES-GO apurou que, referente à primeira dose, foram aplicadas 5.910.856 doses das vacinas contra a Covid-19 em todo o Estado. Em relação à segunda dose e a dose única, foram vacinadas 5.339.652 pessoas, e 2.790.784 pessoas já receberam a dose de reforço. Entre as crianças de 5 a 11 anos, 63.12% já receberam uma dose da vacina. Esses dados são preliminares e coletados junto ao Sistema de Informações do Programa Nacional de Imunizações (SI-PNI), do Ministério da Saúde.

Conforme pactuado na Comissão Intergestores Bipartite (CIB), as Secretarias Municipais de Saúde devem registrar, de forma obrigatória, as informações sobre as vacinas administradas no módulo Covid-19 do Sistema de Informação do Programa Nacional de Imunizações (SI-PNI Covid-19).

Confiança

A maioria dos brasileiros e brasileiras confia na ciência, embora, em tempos de pandemia, a confiança tenha diminuído. Eles e elas têm percepções e atitudes positivas sobre vacinação de modo geral e, em particular, em torno dos imunizantes contra a Covid-19, que consideram seguros, eficazes e importantes para proteger a saúde pública e acabar com a pandemia. Esses são alguns dos resultados do estudo Confiança na ciência no Brasil em tempos de pandemia, conduzido pelo Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia em Comunicação Pública da Ciência e da Tecnologia (INCT-CPCT), com sede na Casa de Oswaldo Cruz (COC/Fiocruz).

Os cientistas, especialmente aqueles de universidades e instituições públicas, também têm imagem positiva, sendo percebidos como honestos e responsáveis por um trabalho que beneficia a população, aponta a pesquisa, que teve apoio do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) e da Fundação Carlos Chagas Filho de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio de Janeiro (Faperj). Realizado por meio de entrevistas domiciliares, pessoais e individuais, usando a técnica de survey, o estudo aponta ainda que a maioria dos brasileiros acredita que as mudanças climáticas estão acontecendo e têm como causa a ação humana.