Segundo dados da Sociedade Brasileira de Urologia, a incidência de cálculos renais durante o verão aumenta em média 30%, em comparação com outros períodos do ano. Urologista destaca que as mudanças nos hábitos durante as férias, como a redução da ingestão de água e o aumento do consumo de álcool, favorecem o surgimento desse problema.

Com a chegada do verão, época de descanso e viagens para muitas famílias brasileiras, as alterações nos hábitos alimentares, como o baixo consumo de água, a elevada ingestão de bebidas alcoólicas, refrigerantes e alimentos ricos em sal, tornam-se motivo de alerta para os cálculos renais, afetando entre 10% e 12% da população adulta no país, conforme a Sociedade Brasileira de Urologia.

Médico urologista Rodrigo Rosa Lima l Foto: Arquivo pessoal

Conforme estudo da entidade, a incidência da doença no verão é 30% maior em relação a outros períodos do ano. O médico urologista Rodrigo Rosa Lima, especialista em Transplante Renal pela Universidade de Brasília, explica que o calor intenso e a baixa umidade contribuem para a perda de líquidos pelo paciente, resultando em urina concentrada e favorecendo a formação de cálculos urinários.

O especialista ressalta a importância de repor adequadamente os líquidos perdidos, especialmente durante o verão. Ele destaca que o consumo de água deve ser aumentado, enquanto o consumo de álcool precisa ser moderado ou evitado nessa época. Além disso, fatores naturais, doenças genéticas e histórico familiar também aumentam o risco de desenvolver cálculos renais.

Quanto aos sintomas e tratamento, o médico explica que dependem do tamanho e localização das pedras. Cálculos pequenos podem ser tratados com medicamentos analgésicos e aumento da ingestão de água. Já cálculos maiores podem exigir intervenção cirúrgica. O urologista destaca que hábitos simples, como beber mais água, reduzir o consumo de sódio, evitar excesso de proteínas, incluir frutas cítricas na dieta e manter a prática regular de exercícios físicos, são essenciais para prevenir a formação de cálculos renais.

Leia também:

Vacinação contra dengue vai priorizar faixa etária de 6 a 16 anos

“Inconstitucional, degradante e asquerosa”, diz advogada sobre legislação que estabelece escuta de feto antes do aborto