Uma pesquisa feita pela Universidade Federal de Minas Gerais (UF-MG) mostra que os brasileiros que recusam se vacinar fazem isso por medo, desinformação e influência de líderes religiosos. Para os pesquisadores, esses três principais fatores são determinantes para a queda da cobertura vacinal no Brasil, neste momento que persiste os casos de Covid-19.

O estudo foi encomendado pelo Conselho Nacional de Secretários Municipais da Saúde (Conasems). Ao todo, foram coletados 2.235 depoimentos, entre setembro e outubro de 2021, em todas as regiões brasileiras.

Do total, 72,8% responderam que temem os efeitos colaterais das vacinas disponibilizadas pelo Sistema Único de Saúde (SUS). Para eles, isso é o principal motivo para evitar a vacinação.

Na sequência, outra preocupação indicada pelos entrevistados, é a maneira como é aplicado os imunizantes. Para 37,6%, o medo de agulhas é o principal fator para não querer se vacinar.

Por último, é apontada a influência direta de líderes religiosos, que pregam contra as campanhas de vacinação em massa. Além disso, estão as fake news em redes sociais que pensam na decisão de brasileiros em confiar nos imunizantes.