Junto da filha de 11 meses, toda sexta-feira Ranielly, de 24 anos, aguarda a equipe do Banco de Leite Humano Elaine Miriam de Oliveira para a doação em domicílio. Desde que a filha nasceu, ela é doadora fixa de leite materno para a unidade, contribuindo com a vida de crianças que precisam do alimento para sobreviver.

“Eu sempre tive muito leite. Sou doadora desde que a Ana Cecília nasceu. Já cheguei a doar até oito frascos por semana. Sou fiel a essa causa de ajudar crianças e mães que precisam”, conta a doadora.

Ela sempre optou pelo serviço em domicílio que, além de garantir a qualidade do produto, facilita sua vida. “É doar amor sem sair de casa. Optei por essa forma de coleta para que o leite fique bem acondicionado. A equipe do Banco de Leite ainda busca os frascos e os trazem já higienizados”, relata.

E assim como Ranielly, outras doadoras utilizam o método em domicílio. “Muitas mães não têm como vir ao Banco de Leite, então disponibilizamos a equipe, pois precisamos cada vez mais de doação”, revela a coordenadora da unidade, Eliene Monteiro.

A doação em domicílio é feita com toda a segurança necessária para garantir a qualidade do alimento, com acondicionamento correto, e também para dar mais conforto às mamães que se dispõem a auxiliar essa causa tão nobre, bastando procurar a unidade para manifestar o interesse em ajudar.

O Banco de Leite está realizando um trabalho em unidades de saúde e hospitais, instruindo e ressaltando a relevância da doação. Atualmente, existem cerca de 100 doadoras cadastradas, mas é necessário que esse número aumente para ter um estoque satisfatório. “Existem as doadoras fixas, mas não é toda semana que podem doar. Então precisamos de mais mamães dispostas a nos ajudar para atender a demanda”, destaca a coordenadora.

Qualidade do leite materno doado
A escolha das doadoras é feita por triagem. Após a divulgação, nas unidades de saúde e hospitalares, é feito o cadastro de todas as mães que desejam doar. Elas recebem atendimento individual para saber sobre rotina e histórico de saúde, entre outras condições, e claro, as informações necessárias para a coleta segura.

O leite coletado passa por um processo de pasteurização e análise de qualidade. Todo cuidado é tomado para que os bebês recebam um produto bom e nutritivo. Algumas mães possuem problemas familiares e psicológicos que podem atrapalhar no resultado do leite produzido. Pensando nisso, a atual gestão implantou atendimento em psicologia às doadoras.

O Banco de Leite do município é responsável pela coleta, processamento e controle de qualidade do leite que, depois de pasteurizado, é doado para unidades como a Maternidade Dr. Adalberto Pereira da Silva e a UTI Neonatal e Pediátrica da Santa Casa.

Desde dezembro de 2018, o Banco de Leite Humano Elaine Miriam de Oliveira possui sede própria no Bairro São Joaquim e teve a assistência ampliada às gestantes, mulheres pós-parto e em fase de amamentação, e também aos pequeninos. A unidade conta com equipe multidisciplinar composta por especialistas em pediatria, psicologia, enfermagem, odontologia e odontopediatria. Esse último ainda oferece, se houver orientação médica para o procedimento, a frenectomia, uma pequena cirurgia que consiste em cortar e remover o freio, que é uma “prega” fina de tecido fibroso (tipo membrana), presente na boca do bebê.

Banco de Leite Humano Elaine Miriam de Oliveira
Endereço: Avenida Cachoeira Dourada, Praça Martins – Bairro São Joaquim
Telefones: 0800 646 3223, (62) 3902-1722 e (62) 99967-7251 (WhatsApp)