Nova ministra: É o resgate do velho nepotismo, sabe?

Na hora em que começou a dizer o nome da filha, deputada federal Cristiane Brasil (PTB-RJ), o presidente do partido, Roberto Jefferson, não conteve a emoção

Orgulho de Roberto Jefferson, presidente nacional do PTB, a filha
Cristiane Brasil chega ao Ministério do Trabalho graças à articulação do pai | Foto Antonio Augusto/Câmara dos Deputados

“É o orgulho, a surpresa, é a emoção que me dá.” Quem viu o presidente nacional do PTB, ex-deputado federal Roberto Jef­ferson, que cumpriu pena até ser perdoado pelo Supremo Tribunal Federal (STF) por envolvimento no mensalão do PT, chorar enquanto anunciava o nome da nova ministra do Trabalho, a deputada federal Cristiane Brasil (PTB-RJ), quase foi convencido de que aquele era um gesto nobre de um pai que se emociona com o sucesso profissional da sua filha. Quase.

A quarta-feira 3 de janeiro interrompeu uma sequência de sete dias incertos sobre o futuro do Minis­tério do Trabalho após a saída do de­putado federal Ronaldo Noguei­ra (PTB-RS) do cargo. A Pasta, lo­teada ao Partido Trabalhis­ta Bra­si­leiro na coalizão – ou seria melhor cha­mar de cooptação? – que alavancou o nome de Michel Te­mer (PMDB) à Presidência da Re­pú­blica em 12 de maio de 2016, viveu a novela do veto à indicação do deputado federal Pedro Fer­nan­des (PTB-MA) para assumir a cadeira de ministro por um dos caciques do PMDB do mesmo estado, José Sarney (PMDB).

Escolhido também por Rober­to Jefferson, responsável pela no­meação da filha em seguida ao veto de Sarney, que o próprio peemedebista foi a público negar que tenha feito, o nome de Pedro Fer­nandes seria insustentável ao governo Temer. Tudo isso pelo apoio do deputado maranhense ao governador Flávio Dino (PCdoB), que se nega a reconhecer o presidente como o ocupante legítimo da cadeira no Palácio da Alvorada, mas que prefere o Jaburu. Uma jogada avaliada como proposital do condenado no esquema do mensalão por corrupção passiva e lavagem de dinheiro. Jefferson pode ser tudo, menos bobo.

Cassado em 2005 pela Câmara após delatar o PT no esquema de compra de apoio político nas eleições de 2004, o ex-deputado, que não chorou quando foi condenado, conseguiu alçar à cadeira de ministra do Trabalho a filha Cristiane Bra­sil, que está em seu primeiro man­dato na mesma Casa da qual já fez parte o pai. “É uma honra e um gran­de desafio que assumo com con­fiança, determinação e fé. Meu pai com certeza está muito emocionado. Sabemos que uma mulher po­lítica, para quem as dificuldades são maiores, é um cargo de grande pres­tígio! Sinto-me empoderada!”, co­memorou no dia da indicação a de­putada em sua página no Facebook.

Se o fato de a nova ministra ser mulher for analisado como algo isolado de todos os outros fatores que a fizeram chegar ao cargo, temos algo a comemorar. Mas o problema está em como isso aconteceu. E de que resgate o pai Roberto Jefferson se orgulhava ao dizer em meio a lágrimas no anúncio do nome ao sair de reunião com Temer e o ministro-chefe da Casa Civil, Eliseu Padilha. “Nós ligamos para o líder Jovair Arantes (PTB-GO), que anuiu imediatamente com a indicação ao nome dela. Disse que terá a confiança da bancada do partido.”

Custo Cristiane

Para a filha de Roberto Jefferson se tornar ministra, ela terá de abrir mão da eleição deste ano. No lugar de Cristiane entra o pai, que pretende voltar à Câmara depois de ter sido cassado. A resposta padrão sobre o que pode acontecer com sua candidatura foi dada pelo presidente nacional do PTB no mesmo dia em que anunciou a deputada como sucessora no Ministério: “só as urnas dirão”.

Além de abrir espaço eleitoral para o pai, Cristiane dá lugar ao suplente, Nelson Nahim (PSD-RJ). Apesar de publicar charges que ironizam a liberdade concedida pelo ministro do STF, Gilmar Mendes, ao ex-governador do Rio Anthony Garotinho, ela tem como suplente de chapa justamente o irmão de Garotinho, que nega o contato com Nahim há pelo menos seis anos. Só que não é apenas Garotinho que tem problemas com a Justiça. Nelson Nahim segue solto graças a um habeas corpus.

Condenado a 12 anos de prisão pelos crimes de estupro de vulnerável, coação no curso do processo, e exploração sexual de adolescentes, Nahim talvez seja o maior exemplo de que a política de coalizão não tem qualquer escrúpulo na hora de se unir para chegar ou se manter no poder. E esse não é um demérito apenas da gestão Temer e seus aliados, a prática aconteceu também nos governos anteriores. O mais vergonhoso vem do fato de que todo o jogo da indicação à cadeira de uma ministra inclua o pai que já foi condenado e um suplente que tem condições de assumir como deputado mesmo tendo sido sentenciado por crimes sexuais junto a outras 13 pessoas.

O caso, conhecido como Meninas do Guarus, começou a ser investigado em 2009. A denúncia do Ministério Público do Rio de Janeiro (MP-RJ) aponta que os envolvidos, entre eles Nahim, mantinham crianças e adolescentes de 8 a 17 anos em uma casa no distrito de Guarus, em Campos dos Goytacazes (RJ), na qual eram explorados sexualmente.

De acordo com a denúncia feita na ação, as vítimas eram obrigadas a consumir drogas e a fazer até 30 programas por dia em uma residência com janelas trancadas, que era mantida sob vigilância armada. O esquema criminoso usava carros para transportar as crianças e adolescentes até os clientes em motéis e hotéis.

O pagamento muitas vezes era feito com drogas e comida. Até o momento, a Câmara não se pronunciou — e infelizmente nem se manifestará — sobre seu novo parlamentar, que assumirá assim que Cristiane Brasil se tornar ministra do Trabalho no lugar do também deputado federal Ronaldo Nogueira, igualmente do PTB.

Tiro no pé

O ex-ministro Ronaldo Nogueira, ao deixar o cargo, voltou atrás em uma de suas decisões mais polêmicas e retrógradas: abrandar a fiscalização de condições de trabalho análogas à escravidão por meio de uma portaria. Dois dias depois de deixar o cargo, o governo federal publicou no Diário Oficial da União a Portaria número 1.293, que retomou o endurecimento do combate ao trabalho escravo no Brasil.

Se o custo de uma decisão polêmica e tão criticada foi alto para Nogueira, duas condenações por contratar motoristas sem assinar suas carteiras de trabalho podem ser cruciais, mas tendem a ser ignoradas, no caso de Cristiane Brasil. Se bem que ela ainda não assumiu. E como todas as decisões equivocadas do governo Temer, basta uma série de críticas para que se volte atrás.

A cria do nepotismo político brasileiro, como foi retratada por charge de Claudio Mor na sexta-feira, 5, na “Folha de S.Paulo”, ainda terá de se explicar sobre a condenação e um acordo na Justiça do Trabalho, mesma área da pasta que pretende assumir. Os dois casos custarão à filha de Jefferson o pagamento de R$ 74 mil referentes a horas-extras, 13º salário, FGTS, férias, verbas rescisórias e multas não pagas a dois motoristas contratados de forma irregular. O primeiro caso é o do motorista Fernando Fernandes Dias, que disse ao Judiciário ter trabalhado de novembro de 2011 a dezembro de 2014 cinco vezes por semana, 19 horas diárias, sem carteira assinada.

A condenação veio porque a deputada não prestou depoimento. No lu­gar, resolveu mandar uma representante (preposta) que não tinha informações sobre o caso. Somente nesta ação, Cris­tiane foi sentenciada ao pagamento de R$ 60,5 mil, que ainda não foram to­talmente quitados. Em seguida, o motorista Leonardo Eugênio de Al­meida Moreira, que trabalhou para a fa­mí­lia da parlamentar entre junho de 2014 e outubro de 2015, também não te­ve a carteira assinada nem recebeu qual­quer multa rescisória ao ser dispensado.

Cristiane se limitou a dizer que foram serviços prestados de forma eventual e que os dois nunca foram seus empregados. Mas o acordo firmado na Justiça a obriga a pagar de maneira parcelada R$ 14 mil. O segundo motorista descreveu sua rotina de trabalho como de 8 às 23 horas de segunda a quinta-feira, das 8 das sextas às 2 horas dos sábados. Ele afirmou que retornava nos sábados às 13 e trabalhava até as 4 horas de domingo, quando tinha nova rotina de serviço entre 13 e 1 hora de segunda.

Para qualquer pessoa ou empresa seria um prejuízo financeiro, por ação ou não de má-fé na contratação de um empregado, o descumprimento de tantas garantias trabalhistas. Só não podemos esquecer que se trata da pessoa indicada para ocupar o cargo de ministra do Trabalho, que por ter votado a favor da reforma trabalhista, deveria saber quais são as antigas e as novas regras do setor.

Mas como em toda tropa de cho­que, há quem faça o serviço sujo de defender o indefensável. E é o ministro da Secretaria de Go­ver­no e deputado licenciado Carlos Ma­run (PMDB-MS), o responsável por esse papel — com ou sem dancinha. “Recuar? Não vamos recuar, não tem alteração. O governo está contente com o fato de ela ter aceitado o desafio, e acho que seria um com­pleto absurdo ela ficar inabilitada por responder por um processo trabalhista.”
E Marun coloca a culpa, inclusive, no momento em que aconteceram as condenações contra Cristiane Brasil: “O fato de ter respondido a uma ação trabalhista, considerando inclusive os aspectos que entendíamos serem arcaicos na legislação trabalhista antes da reforma trabalhista, de maneira alguma a desqualificam para o cargo”.

Tudo isso fica ainda mais evidente no diálogo sobre o novo car­go de Cristiane, protagonizado por Roberto Jefferson e a filha, que tem a seguinte conclusão: “Li­guei para ela e ela disse ‘pai, eu aceito’”. Pouco antes, dizia o presidente do PTB nacional o que aquele momento representava em sua vida. “É o resgate, sabe?” Pode até ser uma retomada da tentativa de se reencontrar com a Câmara para ele. Para os outros 208,4 milhões de brasileiros, o que fica é o sentimento de resgate, mas não da identidade de uma família na política, mas o do nepotismo e das velhas práticas verificadas diariamente em um sistema que se reordena para se manter exatamente como está.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.