Missões Empresariais proporcionam crescimento para empresas goianas

Pequenos empresários participantes do programa promovido pelo Sebrae relatam experiências decisivas para sucesso de seus negócios

Foto: divulgação

A trajetória de um empreendedor começa com traços de iniciativa misturados às diversas dúvidas que possam envolver seu segmento. Ser novo no mercado requer a busca por compreender os caminhos possíveis para que o sucesso, certamente perseguido por todos, deixe de ser apenas uma idealização.

Acompanhar como o mercado se comporta e como evolui cronologicamente é base fundamental para que empreendedores possam ter parâmetros suficientes de como dirigir os novos negócios. Pensando nesse sentido, o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) oferece a empreendedores as chamadas Missões Empresariais, programa que promove inclusão de empreendedores em eventos de grande aglomerados de empresas.

As missões têm como objetivo oportunizar a grupos de empresas conhecer e participar de eventos de negócios, feiras, empresas ou entidades de outros Estados ou países. Para o Sebrae, desta forma é possível buscar novos conhecimentos, acessar novos mercados, identificar fornecedores e clientes, negociar e vender produtos.

Camilla Costa – gerente executiva do Sebrae-GO/ Foto: reprodução

Para a gerente executiva do Sebrae em Goiás, Camilla Costa, pensando no que considera um dos temas importantes para o apoio, fomentar o acesso a mercados com o foco tanto na promoção das relações de negócios, como a conhecimento de outros mercados foi o que motivou a idealização do programa.

“O foco das Missões é  tanto na promoção das relações  de negócio, como ao conhecimento de outros mercados. Assim, considerando um processo de evolução da relação das empresas com o Sebrae percebeu-se que, passado o processo de capacitação, preparação, consultorias e inovação, o passo seguinte está em conhecer e acessar novos mercados. As Missões Empresariais são fundamentais nesse processo”, explica a gerente executiva.

Experiências

Recém inserido no mercado, Ivan Santos relata os primeiros passos  de uma empresa com sucesso definido. Cabeleireiro desde os 17 anos, Ivan decidiu fundar sua empresa após 14 anos de experiência. Em 2017, com o apoio de sua esposa, conforme ele mesmo gosta de destacar, abriu a Escola de Beleza Ivan Santos, que oferece cursos de capacitação na área da estética.

Ivan Santos, proprietário de escola de beleza/ Foto: Jornal Opção

“Eu tive um salão de beleza em Goiânia, onde trabalhava como microempreendedor individual. Nessa primeira experiência me deparei com um monte de perguntas para as quais não tinha respostas. Como trabalhava no momento sem contador, o meu primeiro passo foi procurar por um auxílio que pudesse esclarecer essas dúvidas”, relata.

Após o contato com o Sebrae, o cabelereiro conta que entre as consultorias recebeu o convite de participar de uma Missão Empresarial. O evento incluso no roteiro de Ivan foi a Hair Brasil, maior evento do segmento de estética do País, realizado em São Paulo.

“A experiência foi maravilhosa. Participar de um evento daquela importância faz você sair da sua zona de conforto e ver empreendedorismo em tudo”, relata Ivan. Segundo ele, após a viagem, a mudança no pensamento refletiu em adequações diretas na empresa, já que “a empresa é um pedaço de nós mesmos”.

Oportunidade de atualização

Empresária hà 17 anos, Ana Cristina é fundadora da Dharma Filmes, empresa de renome no segmento de produções audiovisuais, fundada em Brasília . Com quase duas décadas de trajetória junto à empresa, Ana Cristina conta que passou por momentos diferentes ao passo que perseguia o sucesso do empreendimento.

Ana Cristina, proprietária Dharma Filmes/ Foto: reprodução

Defendendo uma visão de mídias aprofundadas, com viés educativo nas produções, a empresária conta que após os anos instalada em Brasília optou por mudar a sede da empresa para a Chapada dos Veadeiros, no Norte de Goiás. Para Ana, a mudança representou um novo marco na vida pessoal e profissional. Após a decisão era hora de se adaptar a um novo mercado audiovisual, que evolui de forma frenética. E foi a partir das Missões, em contato com demais produtoras, que encontrou atualização na forma de trabalhar.

“Essas experiências me fizeram acompanhar as mudanças do mercado. Lá no início a gente tinha que levar muito material, tinha que ter piloto, tinha que ter muito avanço na pesquisa, investimento demasiado do produtor. Não tínhamos as facilidades dos aplicativos e outros dispositivos tecnológicos que temos hoje, um cenário completamente diferente”, relata a produtora cinematográfica.

Lázaro Assis Prado, empresário piscicultor/ Foto: reprodução

Com trajetória no mercado que também ultrapassa uma década, o piscicultor Lázaro Prado, que produz mais de 40 toneladas de peixes por ano em Jataí, conta que já participou de três Missões. Segundo ele, na volta das viagens os empresários envolvidos fazem uma dinâmica para contar o que trouxeram de positivo.

Estimulo à atividade empreendedora

À frente de uma Pousada em São Jorge, Norte goiano, há oito anos, Mércia conta sua experiência na visita que fez a Cabo Verde, África, conhecendo o cenário hoteleiro do país. A empresária conta que por lá recebeu uma dose extra de energia para investir e oferecer mais serviços aos seus clientes, resultado obtido após observar a resiliência dos empresários da região.

“Eles investem nos negócios sem saber quando o vulcão vai entrar em erupção. Isso nos motivou muito. A lava do vulcão é boa para plantação de uvas e eles plantam as vinícolas no meio da lava. A resiliência deles é interessante e nos abre muitos horizontes. Podemos explorar mais o potencial que temos em São Jorge”, conta Mércia.

Edital Aberto

O diretor técnico do Sebrae Goiás, Wanderson Portugal Lemos explica que neste semestre a instituição está com programação de Missões que pode ser acessada por empresários de micro e pequenas empresas, candidato a empresário, potencial empreendedor, produtores rurais e artesãos.

Wanderson Portugal diretor técnico do Sebrae Goiás/ Foto: reprodução

Em paralelo à informação do diretor, a gerente executiva Camilla Costa informa que há o subsidio de 50% para pequenos empresário que sejam aprovados após a inscrição.

A gerente diz que os resultados comprovam que essa é uma estratégia importante ao passo que já há registros de até mesmo parcerias nacionais e internacionais consolidadas entre empresários durante essas Missões.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.