Dois candidatos, um só dilema

Candidaturas de Vanderlan Cardoso, PSB, e Antônio Gomide, PT, convivem no eixo oposicionista e dividem o mesmo drama: baixa densidade eleitoral e isolamento

Afonso Lopes

Não está nada fácil a vida de dos candidatos oposicionistas em Goiás. No PMDB, Júnior Friboi se cansou da guerra contra Iris Rezende e tirou o time dele de campo, mas o sobrevivente enfrenta uma violenta divisão interna que não lhe permite ter a menor confiança na militância partidária. Solidariedade e PDT ensaiaram alguns passos rumo a um acordo que envolvesse também o DEM, mas as conversações não evoluíram além das intenções iniciais. Antônio Gomide, do PT, e Vanderlan Car­do­so, do PSB, precisam diariamente reafirmar a posição de candidatos, e insistirem que não vão desistir.

artigo_jose maria e silva.qxd

O problema de Vanderlan é o mesmo de Gomide. Ambos são bons candidatos, tem discursos afiados, alguma experiência política, mas estão hoje com a mesmíssima musculatura que estavam às vésperas de se definirem candidatos. Vanderlan tem até um pouco menos, já que no início mantinha boas perspectivas de ter o PDT em sua coligação. Hoje, essa possibilidade é nula. Ele permanece apenas com o seu PSB, além dos nanicos PRP e PSC. Gomide não perdeu nada desde o momento em que resolveu abandonar três anos de mandato como prefeito de Aná­polis. Mas nem isso serve de consolo. Ele não perdeu apoio porque só conta com o seu PT, e mais nada.

É certo que o quadro atual poderá sofrer mudanças de agora até o final deste mês, quando se encerra o prazo final para a realização das convenções partidárias. O sonho dos petistas é juntar e repetir em Goiás a base da aliança da presidente Dilma Roussef. É apenas um sonho. Inúmeros partidos que estão com Dilma em nível nacional formam a base aliada estadual liderada pelo governador Marconi Perillo, como o PSD e o PTB. Nem mesmo o PCdoB, velho aliado automático dos petistas, inclusive no plano federal, fechou com o PT de Gomide. Antes, os comunistas integravam o exército de Friboi. Hoje, se declaram abertos às negociações com todas as candidaturas.

Vanderlan surgiu no cenário eleitoral deste ano no rastro produzido nas eleições de 2010, quando colheu mais 16% dos votos válidos. Mas esse Vanderlan que aí está é nanico em comparação com o Vanderlan 2010. Além de não ter mais apoio do Palácio das Es­meraldas, como teve, ele ficou sem PP e PDT, e não conseguiu agregar nada. A única coisa que ele conseguiu manter até aqui é a perspectiva de votos, na mesma faixa da eleição de 2010, conforme as pesquisas mais recentes.

Não deslancham

Em tese, Vanderlan e Gomide não deslancham, mas também não perdem substrato eleitoral. Já é um lucro enorme, sem dúvida. No mínimo, eles já conseguiram chegar às vésperas das definições partidárias com direito a se sentarem à mesa de negociações. Mas não há o que oferecerem aos demais parceiros do campo oposicionista.

Antes de se lançarem candidatos, havia muita expectativa sobre o desempenho que eles alcançariam nas pesquisas eleitorais, ou pelo menos na militância pessoal. Deu chabu. Gomide, que entrou na corrida por último, no início de abril, está do jeito que estava. Vanderlan também não vai nem pra frente e nem pra trás. Por si só, isso seria ótimo, se eles estivessem com porcentuais suficientes para reivindicarem apoio dos demais parceiros de oposição. Gomide, por exemplo, mal conseguiu chegar aos dois dígitos nas pesquisas. É muito pouco para convencer outros partidos a apostarem em seu nome.

Como não mostram poder de atração, o PMDB de Iris Rezende tenta atraí-los para resolver os próprios problemas internos. A passagem de Friboi pelo processo de afunilamento interno peemedebista resultou numa das profundas e intensa divisão interna. O que, por sinal, tem interferido na construção de certa perspectiva de poder de Iris Rezende. Essa perspectiva é fundamental para o peemedebista amenizar os problemas internos. Então, sem condições de avançar internamente, ele procura uma ponte nos vizinhos de oposição, Vanderlan e Gomide, o que termina por minar os esforços deles para crescer.

Para Vanderlan e Gomide, a aproximação do prazo final das definições partidárias soa como hora da verdade. Eles precisam urgentemente crescer, se não nas pesquisas, ao menos politicamente, agregando aliados. É isso, crescer, ou conviver com a ameaça que a praia passou a representar para ambos.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.