Alcance da aliança Iris e Caiado esbarra na má gestão em Goiânia

Pré-candidatos tentam sustentar seus nomes no trabalho desenvolvido pelos prefeitos fiadores e garantidores de uma proposta de eficiência de gestão, mas nem todos têm como se basear nos resultados do trabalho de seus parceiros

Enquanto déficit mensal da Prefeitura de Goiânia sobe R$ 1 milhão, Iris Rezende (PMDB) fala sobre quando implantou mutirões nos anos 1960

“Hoje meu relacionamento com a Câ­ma­­ra é mui­to melhor do que quando assumi.” A declaração que você acabou de ler foi dada pelo prefeito de Goiânia, Iris Rezende (PMDB) na manhã de sexta-feira, 29, durante a prestação de contas referente ao segundo quadrimestre de 2017 na Câmara. Eleito por 379.318 votos no segundo turno em outubro de 2016, Iris tenta mostrar que justificou até aqui a confiança do eleitor em um gestor experimentado outras três vezes à frente da capital (1966-1969, 2005-2008 e 2009-2010).

Neste domingo, Iris chegará ao 274º dia em seu quarto mandato de prefeito de Goiânia. Se as dificuldades, que pareciam não ser tantas no período eleitoral do ano passado, quando o peemedebista prometeu até o que Deus teria pensado duas vezes antes de se propor a fazer pelo grau de dificuldade e exagero dos compromissos, hoje o chefe do Executivo da capital vê que o tempo do falar muito antes de apresentar os serviços prestados ficou no passado.
Ninguém duvida do currículo público de Iris, que, aos 83 anos, foi governador por duas vezes (1983-1986 e 1991-1994) e liderou um grupo político que comandou o Estado por 16 anos ininterruptos. O problema é que, em 2017, o peemedebista terá dificuldade em se manter bem avaliado e com uma gestão eficiente se insistir, no discurso, que sua relação com os vereadores é boa enquanto sofre derrotas de 31 a 0 no Legislativo como no caso da tentativa frustrada de ampliar a arrecadação de tributos e aumentar a receita da prefeitura com a proposta de continuidade do Imposto Predial Territorial Urbano (IPTU) progressivo.

Senador Ronaldo Caiado (DEM) precisa da chancela de Iris para ser candidato a governador, mas gestão do peemedebista é preocupante

Outro revés de Iris aconteceu quando o prefeito foi derrotado na Câmara sobre a data de término do programa de renegociação de dívidas dos inadimplentes do IPTU e Imposto Territorial Urbano (ITU). Enquanto o peemedebista queria o fim do Refis no dia 31 de outubro, os vereadores aprovaram a continuidade da proposta até 31 de dezembro. Já não bastassem esses dois avisos de que o sinal de alerta sobre a não muito boa relação do Legislativo com o Executivo na capital, o prefeito patina na fuga do tema sobre a escolha de um líder na Casa.
E sem quem afine o discurso de sua base de apoio na Câmara com a ausência de um líder do prefeito na Casa, a oposição consegue trabalhar com mais facilidade o convencimento de outros parlamentares a acompanhar o grupo em votações desfavoráveis ao Executivo. É como se não houvesse um canal de negociação entre os dois poderes, o que apequena o protagonismo do prefeito e aumenta a força de fiscalização do Legislativo em Goiânia.

Enquanto Iris e seus secretários, a maioria fruto de escolhas políticas altamente questionáveis e pouco técnicas, tentam minimizar a falta da escolha de um líder na Câmara com o repetido discurso de que o prefeito precisa de ainda mais tempo, depois de nove meses de gestão, para conhecer melhor os 22 vereadores, o prefeito enaltece quantas vezes for possível o modelo carcomido dos mutirões. Aliás, a prática de gastar muito dinheiro para maquiar ações pontuais e publicitárias da prefeitura em determinada região a cada evento, que tomaram contornos de festividades com direito a hashtag e plaquinhas de casamento nas fotos publicadas nas redes sociais do Executivo municipal, é motivo para que o peemedebista desvie o foco do que é de importância independente da discussão.

Nem o presidente Michel Temer (PMDB), com apenas 3% de aprovação da população, deixa de ter base suficiente para aprovar seus projetos no Congresso ou se defender de denúncias graves contra ele entre os deputados federais e senadores. A exceção vem quando se coloca em pauta a Reforma da Previdência, que tende a ser a maior derrota do governo Temer.

Mutirões

Mais um exemplo da prolixidade desinteressante do prefeito, que, infelizmente, parece estar distante da realidade da cidade, aconteceu na última sexta-feira. Ao discutir o déficit mensal do Paço, que subiu de R$ 30 milhões para R$ 31 milhões, voltou na década de 1960 para falar de quando criou os mutirões em Goiânia. Ninguém tem nada contra essas políticas quando tratadas em seu referencial histórico como práticas públicas adotadas há mais de 50 anos na capital pelo mesmo prefeito. Mas não se espera de um político experimentado e experiente como Iris desviar o foco dos problemas enfrentados pela cidade em 2017 com a discussão fora de contexto sobre ações do século passado.

Enquanto o peemedebista demonstra que os gargalos em diversos setores de Goiânia tendem a ser resolvidos com facilidade a partir de um processo de paciência e consideração por parte dos vereadores e da população, não se colocou na mesa do gabinete do prefeito até hoje a descentralização do Executivo com a criação das subprefeituras. Deter­minação essa que foi criada por ele como lei em 2008, relembrada como promessa de campanha em 2016 e que nove meses depois do início da gestão nem sequer foi um assunto tratado pela prefeitura.
Parte do secretariado de Iris disse ao Jornal Opção em abril, quando o prefeito completava 100 dias de gestão, que seria preciso aguardar os primeiros seis meses para ver o mandato do peemedebista engrenar e superar as dificuldades. Esse parece ser um pedido renovado a cada três meses. Os questionamentos sobre o choque de gestão que Iris daria à capital continuam a ser feitos. Afinal de contas, foi o grande líder histórico do PMDB goiano mesmo quem prometeu fazer a “melhor administração” da vida política dele. Pelo bem de Goiânia, todos nós aguardamos que isso de fato aconteça.

Nem precisamos aprofundar outras propostas, mais eleitoreiras do que qualquer outra coisa, como colocar os Centros de Atenção Integral à Saúde (Cais) da capital em funcionamento 24 horas o mais rápido possível após assumir o cargo ou ter em circulação mais 1,2 mil novos ônibus nas linhas do transporte coletivo de Goiânia. Pelo histórico de Iris, todos nós costumamos ter uma paciência e compreensão maiores com o tempo necessário para que o peemedebista coloque em prática o que prometeu. Mas e quando pouco ou praticamente nada do que foi proposto na eleição sequer é discutido?

E é essa gestão que dá sustentação à pré-candidatura a governador de Goiás do senador Ronaldo Caiado (DEM), que tem defendido em seus discursos a implantação de hospitais de campanha, no formato das improvisadas estruturas de atendimento em regiões de conflito. Ilhado no DEM, que perdeu grande parte de seus principais nomes no Estado, Caiado precisa do apoio de Iris para chancelar sua candidatura. Só que esse certificado de competência, até agora, não é o que vemos quando olhamos para os nove meses de gestão do peemedebista em Goiânia.

Caiado, político de figura bem adaptada ao perfil de oposição em seus mandatos como deputado federal e desde 2015 no Senado, tem como aliados para 2018 políticos que precisam olhar para o hoje e voltar suas práticas públicas para a realidade. Um dos exemplos é o ex-secretário estadual da Fazenda e presidente goiano do PRP, Jorcelino Braga. Com aval de Braga, o mais novo membro da equipe de Iris na capital é o recém-empos­sado secretário municipal de Finan­ças Alessan­dro Melo. Ser­vidor estadual de carreira, sua nomeação e posse dão indícios de uma aproximação do líder do PRP ao grupo de Caiado e Iris.

Pensar em uma aliança Caiado, Iris e Braga para 2018 é lembrar do governo de Alcides Rodrigues à frente do Estado (2007-2010) e os problemas financeiros enfrentados, além de ver a falta de gerência vivida em Goiânia até aqui. Claro que nada disso impede que o senador consiga exercer um bom mandato de governador se tiver essa chance. Mas precisa começar a trabalhar menos em um discurso de terra arrasada e ser mais propositivo. Avistar apenas dificuldades é tão banal que chega a parecer pleonasmo vicioso. Falta a aproximação de Caiado na solução dos problemas de seu aliado eleitoral Iris Rezende em Goiânia na busca pela consolidação de seu nome em 2018.

Erros do passado não impedem busca por práticas renovadas

Maguito Vilela (PMDB) e Gustavo Mendanha (PMDB) buscam para Aparecida inovações condizentes com o mundo em 2017

O ex-governador (1995-1998), ex-senador (1999-2006) e ex-prefeito de Aparecida de Goiânia (2009-2012 e 2013-2016), Ma­guito Vilela (PMDB), pagou por muito tempo um preço político alto por ser a ele atribuída a responsabilidade pela venda da usina hidrelétrica de Cachoeira Dou­rada, privatizada através de um leilão público em setembro de 1997. Depois de ocupar muitos cargos públicos, entre eles o de vice-presidente do Banco do Brasil, e de amargar duas derrotas seguidas na disputa pelo governo de Goiás, em 2002 e 2006, Maguito se reinventou como prefeito da cidade vizinha da capital Goiânia, Aparecida de Goiânia.

Conurbada à capital, Apa­recida vive uma nova realidade desde que Maguito assumiu a cidade, ainda que muito desacreditado como gestor público em 2009. Cidade dormitório, município de mancha criminal de preocupação ininterrupta das autoridades da segurança pública, retrato do atraso e do descaso de seus gestores, Aparecida de Goiânia começa a entrar na rota do desenvolvimento depois das duas administrações do mais velho nome político da família dos Vilela.

Em 1º de janeiro de 2009, quando tinha 59 anos, Maguito viu em Aparecida a oportunidade de se reestruturar politicamente e retomar seu prestígio junto à população como grande gestor. De cidade dormitório, a cidade foi mudando sua identidade econômica aos poucos. Hoje é atrativa para indústrias e empresas. Há quem já diga que Goiânia tem parado no tempo e se tornado local de acolhida de quem trabalha em Aparecida e volta a noite.

As duas gestões de Maguito à frente da cidade de 542.090 habitantes, de acordo com a estimativa de 2017 do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), deixaram uma dúvida para a eleição de 2016: quem seria capaz de atrair tantos investimentos e fazer uma administração à altura do peemedebista?

E a dúvida da população fazia todo sentido. Maguito foi responsável por um período de captação de recursos vindos de outras fontes que ultrapassavam R$ 300 milhões por ano. Todo esse trabalho de apresentação de projetos e busca por verbas do governo federal e outros organismos nacionais e internacionais de investimento ganharam um tratamento aprimorado com uma pasta específica que trabalha unicamente no preparo e negociação de orçamento fora do previsto pela Lei Orçamentária Anual (LOA) do Município.

O trabalho da gestão do peemedebista em Aparecida chamou a atenção de outras prefeituras e governos. A titular da Secretaria Municipal de Projetos e Captação de Recursos, Valéria Pettersen, recebeu comitivas de diversos estados e foi convidada pelo governador do Tocantins, Marcelo Miranda (PMDB), para deixar a cidade goiana e cuidar do mesmo trabalho em Palmas. Mesmo com a proposta, Valéria preferiu seguir em Aparecida, onde continua a ocupar o mesmo cargo após a mudança de prefeito. Inicialmente em dúvida se seguiria na pasta, ela foi convidada pelo prefeito Gustavo Mendanha (PMDB), de 34 anos, a continuar à frente da Secretaria.

Enquanto Maguito esteve como prefeito da cidade da Região Metropolitana de Goiânia, o peemedebista viveu o momento da bonança de recursos, com diversas obras possibilitadas por verbas do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), do governo federal, e acompanhou a chegada da forte crise econômica. Mas nem isso impediu que Aparecida chegasse a mais de 400 obras entregues ou em andamento nas duas gestões de Maguito Vilela à sua frente.

Legado

Deputado Daniel Vilela (PMDB) tem em seu grupo político o exemplo da discussão de soluções para o cotidiano da população

Além de apoiar o candidato que venceria a eleição no primeiro turno em 2016, Maguito deixou para Gustavo Mendanha a responsabilidade de concluir uma das principais obras de sua gestão: o Hospital Municipal de Aparecida (HMAP). A estrutura, já pronta, tem 220 leitos, com 90 clínicos, 60 cirúrgicos, 20 pediátricos, 30 de UTI, dez de recuperação e outros dez de reanimação e observação.

A área do HMAP ainda conta com pronto-atendimento, urgência, apoio terapêutico e diagnóstico, raio-X, eletrocardiografia, ultrassonografia, endoscopia, tomografia computadorizada, laboratório, farmácia, nutrição, internação e centro cirúrgico com dez salas. Com cerca R$ 64 milhões em recursos municipais e do governo federal, a unidade tem tudo para ser o grande marco das gestões Maguito e Gustavo em Aparecida.

As negociações para liberação de verba para compra e instalação de aparelhos para dar início ao funcionamento do hospital começaram no final de maio. O ministro da Saúde, Ricardo Barros, visitou a estrutura da unidade e disse que há no Brasil 40 hospitais em construção, mas que apenas o de Aparecida já está concluído, o que pode facilitar o repasse de recursos. Localizado no Setor Cidade Vera Cruz, a unidade tem 21 mil metros quadrados divididos em seis blocos com alas de pediatria, geriatria, duas de clínica médica e duas de pós-cirurgia.
Sob o olhar da dúvida por nunca ter exercido um mandato no Executivo, o ex-presidente da Câmara de Aparecida tem sido avaliado como uma das revelações entre os prefeitos novatos nos municípios goianos. Mendanha tem buscado colocar em prática o início de um projeto ousado. Ele quer transformar o município na primeira cidade inteligente de Goiás e do Centro-Oeste com a licitação de 140 quilômetros de rede de fibra ótica.

“A cidade digital tem de ser sustentável. As coisas estão acontecendo de forma rápida e, em algum tempo, não vai haver mais papel moeda. E tempos atrás, dez anos, era maluco pensar em um mundo sem dinheiro.” Ver um prefeito usar as palavras digital, tecnologia e inteligente em seus discursos deveria ser algo corriqueiro. Mas, como mostrou o editorial “Livro ‘Obrigado Pelo Atraso’, de Thomas L. Friedman, tem muito a ensinar a Iris Rezende”, publicado na edição número 2202 do Jornal Opção, a discussão de uma gestão digital e que se beneficie da adoção da tecnologia está bem longe do pensamento de Iris Rezende (PMDB).

Grupo inovador

Enquanto Caiado apoia a viabilidade de seu nome no apoio de Iris, que infelizmente está longe de conseguir buscar qualquer solução aos problemas da capital, o também pré-candidato Daniel Vilela (PMDB) – deputado federal e filho de Maguito – vê em Aparecida de Goiânia o exemplo de renovação política, criatividade e novas ideias que colocam seu projeto de disputar o cargo de governador um passo mais conectado com a realidade do Estado e do mundo. Enquanto o prefeito de Goiânia discute o déficit mensal da administração pública da capital com exemplos dos mutirões da década de 1960, os aliados de Daniel avançam na implantação de um modelo de gestão digital para facilitar o cotidiano da população.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.