O PSD goiano só vai começar a discutir os rumos do partido para o futuro após o Carnaval, mas o presidente estadual do partido, Vilmar Rocha, garantiu ao Jornal Opção que, da mesma forma que a legenda teve candidatura própria em 2016 e 2020, fará o mesmo nas eleições municipais do ano que vem. Entretanto, ele não revelou nomes cotados.

“Nossa tese é de ter candidatos na grande maioria dos municípios e, principalmente, nos grandes, inclusive Goiânia. O PSD teve candidato em Goiânia em 2016, 2020 e terá em 2024”, pontuou já esquentando o xadrez político goiano fazendo a ressalva: “2024 começa em março deste ano”. Questionado sobre os nomes já cotados, ele responde: “O tempo é senhor da razão”.

Ele lembra que no dia 1º fevereiro tomam posse os novos deputados estaduais, federais e senadores, dano início ao ano legislativo. A partir daí, as movimentações da política regional devem indicar os rumos de articulação para o futuro. “Então, é a partir de março, quando o secretariado e os ministérios já estarão compostos”, explica.

É nesse cenário que desponta a figura do senador Vanderlan Cardoso (PSD) para disputar a Prefeitura de Goiânia em 2024. Conforme adiantado pela coluna Bastidores, o senador recém-empossado Wilder Morais (PL) deve bancá-lo. A tese do grupo do PL é a seguinte: o senador do partido planeja disputar o governo de Goiás em 2026 e precisa do apoio de um “padrinho”. Portanto, se eleito prefeito de Goiânia em 2024, o senador do PSD poderá ser o grande padrinho de Wilder Morais em 2026.

Wilder, porém, estaria preocupado com suposta “falta de lealdade” de Vanderlan Cardoso. Em 2020, o governador de Goiás, Ronaldo Caiado, do União Brasil, apoiou o senador para prefeito de Goiânia, porém, na disputa da reeleição, em 2022, Vanderlan Cardoso decidiu não apoiá-lo, ficando ao lado do candidato do PL, o bolsonarista Major Vitor Hugo.